Poesia mora lá…

bandeira_do_gres_imperio_serrano-800x509O primeiro carnaval de que tenho realmente memória foi o de 1984. Não me refiro aos bailinhos no Vila nem dos bate-bolas no Boulevard. Falo de escolas de samba e do arrastão que a Mangueira provocou, indo e voltando pela nova avenida do samba.

Naquele tempo os desfiles entravam pela manhã e a Portela já tinha deixado todo mundo de boca aberta no domingo (manhã de segunda, na verdade).

Enfim, foi por causa daquele carnaval que me formei mangueirense. E foi por causa destes dois desfiles que me apaixonei pelo carnaval da Sapucaí. Com o tempo, fui aprendendo e entendendo cada escola, o significado de cada uma pra história do carnaval e da cidade.

E depois de um bom bocado de desfiles – no grupo especial e de acesso – e de uns bons anos sem colocar os pés na avenida, ganhei um presente. Daqueles que não dá pra se medir.

Império Serrano.

Não sei se a meia-dúzia que 8 ou 9 amigos, do Rio e de fora, tem a noção do que significa isso. Império Serrano.

Tentei não dar bandeira, fiz força para ficar um tanto blasé, mas fiquei tenso durante todo o dia, especialmente na concentração, como não fiquei nem na primeira vez em que desfilei.

É um símbolo, tem uma aura diferente. E nem se trata de ser imperiano, mas de se dar conta do que representa.

É uma instituição, ao lado da minha Mangueira e da Portela. E pra mim, ao lado da Vila, meu bairro querido onde nasci e me criei, de Noel e de Martinho.

De quebra, vejam só, entrei na avenida comemorando o aniversário do meu irmão, que estava ao lado, da minha comadre querida e dela. Ela, imperiana devota de ficar com o coração disparado só de ouvir o primeiro acorde do cavaco, e que me levou para viver esse presente. Foi a certeza de que meu quintal é maior que o mundo.

Desfilamos no sábado, grupo de acesso em que o Império nunca deveria estar, e estou escrevendo antes de saber o resultado da apuração, antes de saber se, no ano em que comemora 70 anos, o menino de 47 vai voltar ao Grupo Especial. Porque não importa. Porque, como disse aí em cima, foi um presente vivido.

Não sei se será possível – algum dia – lhe proporcionar algo parecido com o que vivi nessa “festa” de 10 meses.

E neste fevereiro sem o dia 29 em que contamos nosso tempo, neste primeiro dia de março, aniversário da nossa cidade, “cantando eu declamo esse amor por você.”

Anúncios

De palhaços a martinis

Sabem como é, o carnaval acabou mas não acabou. Então, o ano começou mas não começou. E já que é assim, vamos falar de algumas das coisas desimportantes mais importantes do mundo. Pelo menos pra mim, claro. Escola de samba e Fórmula 1. Não, e não vou falar da campeã carioca que homenageou Senna.

2014, nos dois mundos, se desenha diferente. Ora vejam que a União da Ilha foi a quarta colocada.

Quando foi campeã pela última vez, em 1982, a Império Serrano já avisava:

Super Escolas de Samba S/A
Super-alegorias
Escondendo gente bamba
Que covardia!

Os bons entendedores sabem que esse S/A aplicado ao samba é muito mais amplo que no mundo dos negócios. Taí a Vila que não nos deixa mentir. E não é por acaso que as surpresas sempre foram raríssimas. A mesma Vila Isabel, com a Kizomba de 1988, e a Tijuca, em 2010, foram as últimas escolas tradicionais a levar o caneco. E a Viradouro, com uma época fora da curva comandada por Joãozinho Trinta, venceu em 1997.

União da Ilha / Foto: Marcio Cavalcanti - facebook.com/marcio.fotogQuando assisti o desfile da Ilha, fiquei realmente emocionado. Nas devidas proporções, foi um espécie de Kizomba. Um desfile alegre, um enredo muito bem contado, um samba muito bom, e sem os luxos e ostentações das grandes escolas. Pelo contrário, muita originalidade e bom gosto. Conseguir se classificar entre as melhores não deixa de ser, mesmo que involuntariamente, uma espécie de recado do velho carnaval. Sim, é possível.

E o que isso tem a ver com a F1?

É que com o passar dos anos, os garagistas foram sumindo e as equipes se transformando em grandes corporações. Nada diferente do resto do mundo capitalista, não é mesmo? Mas temos ali um sobrevivente daqueles: Sir Frank Williams.

Aos trancos e barrancos, conseguiu garantir a sobrevivência de seu time e teve, em 2013, um dos piores resultados de sua história. Mas veio o ano novo, o regulamento novo, o acerto com a Mercedes e…

Não é que dentre os carros mais feios do mundo, o FW36 é bem nascido pra caramba? De quebra, fecharam um contrato com a Martini e o carro terá uma das pinturas mais bonitas do grid e, comemorando os 150 anos da marca italiana, traz de volta um ícone do automobilismo.

É fato que a equipe não tem a grana de uma Ferrari, Mercedes, McLaren e Red Bull para desenvolver o carro na quantidade e velocidade necessárias ao longo de todo o ano. Mas certamente vai fazer um estrago, especialmente no início, primeira metade da temporada. Será que conseguirá terminar entre as três ou quatro primeiras? Sinceramente, torço muito pra isso. E não, não tem relação direta com a presença de Massa no time. Mas também acredito que ele terá uma grande parcela do sucesso do time, se esse sucesso realmente acontecer. A ver, a ver. E boa sorte.Williams FW36 / Divulgação

Cinzas

IMG_7663 cópia 2Olho minhas moças em casa e o horizonte que se desenha, o país que se desenha, e fico apavorado. E entro em parafuso quando vejo a turma em volta (boa parte da turma, claro) não se dando conta. Será que estou ficando louco? Paranóico? Sei não…

Já ando desanimado há tempos. E quem me conhece bem, sabe o que significa o carnaval pra mim. Mas o deste ano, sincera e definitivamente, não terá o mesmo sabor. Vai que estou mesmo ficando velho e ranzinza, a descrição informal de um nível de realismo tão agudo que o mundo ao redor perde boa parte da graça.

Cinzas. E o carnaval nem começou ainda.

Quando Barroso e Zavascki foram nomeados, ninguém teve dúvidas que tudo não passava de encomenda, tudo decidido já. Foi algo tão gritante que nem os amigos dos (agora) co-autores tentaram negar. Silêncio.

Ontem foi apenas o desfecho (de uma etapa, vem mais por aí) esperado.

Não vou defender Barbosa, Aurélio, Fux, Mendes e Mello. Não é o caso nem precisam de mim, vamos combinar. E como qualquer outro, fazem (na minha opinião) suas cagadas. Também não vou tentar negar o ímpeto autoritário e os tons fora do tom do presidente do tribunal. Da mesma maneira que nunca acreditei que o tribunal fosse salvar nosso querido e trágico país.

Mas o sinal transmitido com as nomeações e confirmado ontem é que, hoje, estamos à disposição – sem qualquer opção de escape – do poder de plantão. E é essa a grande questão.

Será que, a esta altura, alguém com o mínimo de instrução não percebe (a não ser por escolha) que o que temos hoje é um projeto de poder? Tudo em causa e benefício próprio. Não, não acho que vivemos o mesmo caso da Venezuela e da Argentina e da Bolívia etc. Somos diferentes sim. Mas estar de mãos dadas que com essa camarilha diz muito. Ou não?

E se começamos a esticar a sanfona, então, não haveria tempo e papel suficiente para escrever a respeito. Pelo menos eu, que não vivo disso. Mas o que dizer de um governo, em um país com cerca de 120 milhões de eleitores, que montou um cabresto de mais ou menos 25 milhões de indivíduos?

O que dizer de um governo capaz de – ao mesmo tempo – quase destruir (a impressão é que vão chegar lá, tomara que não) a maior empresa do país e, ao mesmo tempo, não ter sequer nenhum acordo bilateral com o resto do mundo?

O que dizer de um governo que deixa o país parar completamente por falta de investimento adequado em infraestrutura e logística?

O que dizer de um governo que fez o que fez no rio São Francisco?

O que dizer de um governo que não só permite, mas estimula que alguns indivíduos sejam “mais iguais” que outros?

O que dizer de um governo que deixa seu país flertar com a barbárie?

O que dizer de um governo que não só não luta contra, mas estimula (inclusive financeiramente) o linchamento moral de qualquer um que tenha uma opinião diferente do status quo, dos amigos, dos aliados e dos co-autores?

A lista é interminável.

A resposta é curta: mal intencionado, incompetente e corrupto.

Sim, corrupto. Comprovadamente corrupto. Não apenas de nossa impressão geral construída ao longo dos anos sobre qualquer político. A turma ainda está presa e com a ficha suja. Pelo menos até conseguirem a revisão da pena (e eles vão conseguir, não tenham dúvida).

A lista é interminável. E a mulher será reeleita. E se ela corresse algum risco, o apedeuta se apresentaria e levaria de braçadas. Porque a nossa oposição é tão débil, tão sem sentido, que um dos candidatos se retiraria em apoio a Lula, se ele aparecesse.

Não, não vivemos hoje no país da piada pronta. Estamos construindo, já há 12 anos, o país da tragédia pronta.

E sim, esse texto lastimável e lastimoso às vésperas de um carnaval não pretende convencer ninguém a nada. É apenas um desabafo de um sujeito absolutamente desesperançoso e desesperançado. E que tem duas filhas neste país desgraçado, neste país que está sendo desgraçado.

Sim, uma hora eu desisto e vou-me embora (já respondendo ao eventual xiita que aparecer por aqui perguntando por que não dou no pé). Infelizmente, meu coração avisa que a contagem regressiva já começou.

Evoé.

Crônica de sexta-feira (19)

Carnaval

FantasiasVocês conseguem pensar em um momento mais brasileiro que o carnaval? Calor de verão, alegria, feriados (por tradição e religião), eventos ao ar livre (em sua grande maioria), sambas, fantasias e, principalmente, a ‘coisa’ mais brasileira que existe: gente das mais diversas raças, cores, culturas, classes sociais, idades, sexos e suas variáveis, todas com o objetivo de se divertir. Infelizmente uns poucos estão preparados para outras coisas, mas não vamos, pelo menos hoje, destacar pontos negativos do período momesco que tanto aprendemos a gostar.

Penso realmente que o carnaval é uma das mais fiéis definições da brasilidade e fico muito feliz quando vejo, leio ou ouço que os blocos de rua estão se organizando, os sons automotivos estão sendo proibidos em muitas cidades no interior, o festival de marchinhas no Rio de Janeiro é um sucesso, os desfiles de escolas de samba continuam como grandes destaques turísticos e culturais, e a sociedade ainda fica cada vez mais alerta aos abusos.

Deve e tem que ser assim. Esse período de descanso e isolamento para alguns, e muita agitação para outros, não pode ser caracterizado por coisas desagradáveis. E cabe a cada um de nós fazer a sua parte, esperando que as outras partes também cumpram as suas obrigações, ainda que isso possa parecer pura fantasia.

E por falar em fantasia, eu – que adoro vestir uma e sair por aí – dou minha contribuição aos leitores que talvez ainda estejam em dúvida sobre o que vestir neste carnaval. Seguem dicas para algumas fantasias inéditas e espetaculares, podem acreditar:

Engov (ou Engove, como queiram)
Vista um lençol meio amarelado/prateado, com umas pinceladas de azul, e carregue uma placa de papelão, onde se leia: Já tomou? Não? Então tome!

Homem bomba
Deixe a barba crescer, vista uma túnica, calce chinelos franciscanos, enrole tubos de papelão imitando dinamites e cole-os num grande cinto ao redor do seu corpo. Mas não se esqueça de identificar cada uma das bombas, de um modo que todos possam ler seus nomes: paz; amor; lixo na lixeira; chocolate; se beber, só de táxi; mulher do outro… É do outro (o mesmo para as moças, por favor); endereço e telefone (nessa você coloca uma cópia da identidade e comprovante de endereço, só por segurança). Diga que vai explodir as bombas durante todo o ano de 2014.

Rede social
Enrole-se numa rede de dormir pequena, fácil de carregar, nada daquelas pernambucanas, enormes. Escreva ‘social’ numa faixa e a coloque na cabeça. E você estará pronto para milhares de contatos. Pode ter também uma folhinha de papel pregada no peito: ‘é só clicar aqui’.

Apagão
Vista uma roupa inteiramente negra, até a cueca ou calcinha. Pinte o seu rosto de preto, transforme-se num verdadeiro breu ambulante. Carregue uma lanterna com o recurso de luz intermitente, só pra chamar um pouco mais de atenção.

Por último, nosso gran finale, a fantasia que fará o maior sucesso. No seu carnaval e no dos outros:

Ingresso da Copa do Mundo no Brasil
Vista uma roupa que você usaria pra ver um jogo de futebol e carregue uma bola que possa parecer a oficial do torneio. Armazene comida e bebida para todo o período, tranque a porta e feche as cortinas de todas as janelas de sua casa e… Pronto!!! Não saia nem ouse aparecer nas janelas até as 12h de quarta-feira de cinzas. Não atenda o telefone, não use a internet, não responda se alguém te procurar. Você não existe, é peça de ficção científica, é só uma imaginação de alguns torcedores.

E um bom carnaval a todos.

Rodrigo Faria

E a trilha sonora? Clique aqui. Um clássico e tantinho de liberdade poética sobre o Brasil de hoje e de amanhã.

Business, business, business…

E assim, com tudo ao nosso redor se tornando algo muito importante, corporativo, com discurso politicamente correto, atitudes sustentáveis etc etc etc etc, o mundo vai mesmo perdendo boa parte da sua graça.

Máscara de Joaquim Barbosa / Foto: Fabio Motta/Estadão ConteúdoSou do tempo em que máscaras de carnaval eram uma espécie de coroação do sujeito homenageado. Para o bem e o mal. Geralmente, as referências são a políticos. Que o digam Lula, Brizola, Sarney e Collor. Um dos hits deste carnaval será, com absoluta certeza, Joaquim Barbosa. E os condenados do mensalão também devem brilhar nos blocos de todo o país.

Isso quer dizer que se o sujeito não é político, não está metido em grandes escândalos ou soluções nacionais, e mesmo assim vira máscara de carnaval…

É o caso do Neymar. Garoto adorado no país do futebol, bom menino, divertido, simpático, com cabelos estranhos e craque mais do que reconhecido, certamente seria um dos sucessos do reinado de Momo em 2013.

Máscaras de Neymar em processo de fabricação / Foto: Agência ReutersMas uma notícia que saiu hoje dá conta de que o ‘estafe’ do moleque está acionando uma fábrica de São Gonçalo que fez as máscaras sem autorização prévia. Ok, não estão errados do ponto de vista da lei e dos negócios, claro que não. Mas fico pensando se, para o homenageado, não seria a hora de fazer vista grossa. Se algo assim não resultaria exatamente em mais simpatia, algo que a turma do marketing rapidamente converteria em grana – muito mais do que eventuais royalties sobre as tais máscaras.

Sinceramente não sei o que pensar. Alguém aí tem alguma idéia?

Varrendo as cinzas do salão

E, afinal, estamos no país do carnaval. Se oficialmente a festa terminou ontem, domingo será o último dia de folia de verdade. Tanto é assim que o nosso congresso, que já não gosta mesmo de trabalhar, só volta a funcionar de verdade, a votar alguma coisa na terça. Ziriguidum, telecoteco, esquindô lelê!!!

A verdade é que estamos tão acostumados a ver nossos representantes batendo ponto só de terça a quinta (enquanto boa parte dos pobres mortais brasileiros são obrigados a cumprir expediente em semana inglesa), que foi até uma surpresa ver estourar o escândalo de Jaqueline Roriz. Não por ver o sobrenome Roriz envolvido em confusão, claro, mas pela notícia ganhar o país em uma quarta-feira de cinzas.

A cobertura do carnaval em todos os cantos é tão massacrante que temos a impressão de que todo o mundo fica parado à espera do resultado da apuração das escolas de samba. Quem não se dedicou a ver, ouvir ou ler algo além das manchetes, não ficou sabendo que os grandes aliados (capitaneados por Obama, vejam só) já cogitam intervenção militar na Líbia de Kadafi, um governante conhecido por sua delicadeza e que lançou ataques aéreos contra rebeldes armados com bodoques ou pouco mais que isso.

Sou contra qualquer tipo de intervenção, eles que são brancos, pretos, azuis ou amarelos. Que se entendam. Depois, forças tarefas das nações unidas ajudam como puderem. Mas sabemos que não é simples assim, há muitos interesses envolvidos num conflito desses, como dinheiro por exemplo. O que me deixa meio puto é que neguinho usa os tais direitos humanos com desculpa para se meter onde não deve. Acho engraçado porque, na minha cabeça, se um sujeito resolve fazer uma guerra, seja contra seu vizinho ou contra seu governo, ele sabe os riscos que corre. Então, não deveríamos precisar ouvir esses discursos ‘bons-mocistas’.

No resto do mundo árabe que entrou em conflagração, inspirado pelo sucesso dos gritos na Tunísia e no Egito, as coisas começaram a se assentar. Acordos vão sendo feitos aqui e ali, e o barulho prometido há algumas semanas não será tão grande quanto pensávamos.

E enquanto os incêndios ao sul do mediterrâneo começam a ser apagados, a grande notícia da Europa foi a capacidade de Kate Middleton (a noiva do prícipe William que estão tentando transformar em nova Lady Di) virar panquecas no ar.

Na bola, a grande novidade do reinado de Momo foi a rescisão do contrato entre Roma e Adriano. Fiquei muito, muito surpreso com esta notícia. Afinal, segundo o clube italiano, Adriano chega sempre atrasado e não se apresenta quando deve, está acima do peso, bebe, quase nunca joga… O pior é que já há gente no Flamengo querendo ele de volta.

Imaginem, justo na hora em que o clube tem um ídolo que chega na hora pra treinar, que está sempre à disposição, que não falta, que é sempre o último a sair do treino, que não abusa de privilégios… Não seria excelente trazer o Adriano? Como ficaria o clima? Pois sou da teoria que se o sujeito voltar ao clube, nossa presidente deveria se afogar na Lagoa.

Pra terminar, a Fórmula 1 está fazendo sua última bateria de testes de pré-temporada. Enquanto pilotos seguem reclamando dos botões no volante e do desgaste acentuado dos novos pneus, o que fica claro que é que a Red Bull é mesmo o carro a ser batido; Ferrari poderá competir de igual para igual em algumas circunstâncias especiais; Mercedes não fará muita farofa; as brigas no meio do grid, entre Lotus Renault (a preta), Sauber, Williams e Toro Rosso deverão ser muito interessantes; e a McLaren, que lançou um carro diferente, arrojado, com vários novos conceitos e que eu mesmo apostei ser um bólido vencedor, está fazendo água. Já se diz até que o que a equipe precisa mesmo é de um carro novo. Faltam duas semanas para a abertura da temporada. Será que alguma coisa mudará até lá?

No mais, está começando aquela fase do ano que é quase inútil, entre o carnaval e o réveillon. Boa sorte pra todos e paciência, falta menos de nove meses.

Carnaval desbotado

Então, está chegando ao fim a quarta-feira de cinzas e, oficialmente, o carnaval (apesar de todos os blocos do final de semana, além dos desfiles das escolas campeãs no Rio, em São Paulo e sei lá mais onde).

Por aqui, Beija-Flor campeã de novo. E será que alguém ainda vai aparecer para tentar me convencer que esse negócio é sério? Porque, com todo o respeito que todo mundo merece, ganhar o campeonato com aquele desfile desenxabido é, no mínimo, uma grande piada.

Aí, alguém dirá que foi ‘tecnicamente perfeita’. Desculpem, mas não cola. Foi tão descarado que nunca vi (não lembro e não pesquisei) diferenças tão grandes entre os resultados finais. Algumas notas foram simplesmente desavergonhadas, como penalizar o melhor samba do ano, da Imperatriz ou as notas de alegorias e adereços da Mangueira. De quebra, ainda sacanearam a Porto da Pedra, que encontrou em Maria Clara Machado um enredo brilhante e fez um desfile belíssimo.

Outra grande piada é o Salgueiro – depois de tudo o que aconteceu, dos buracos e da correria por causa de problemas em dois carros – terminar em quinto e voltar no desfile das campeãs.

O resultado anunciado hoje, pra mim, só serviu para tirar boa parte do brilho do carnaval, desbotando suas tantas e tão lindas cores. No fim, a melhor frase do dia sobre o resultado foi dita pelo carnavalesco da Unidos da Tijuca, quando perguntado sobre o enredo da escola para o carnaval de 2012.

Queria fazer Madonna, mas acho que vou fazer Neguinho da Beija Flor

Paulo Barros