Trilha sonora

O fim de semana foi dos melhores. Muito choro no sábado e domingo especialmente dedicado a Jackson do Pandeiro (depois, outro dia, explico isso). Aproveitei que o Ron Groo me lembrou do Vanguart e usei a segunda e a terça pra mudar de ares, digamos assim. Porto Alegre, São Paulo, Patos de Minas e Cuiabá. Esse foi o resultado do giro, por enquanto.

O que tem de música boa sendo feita por aí não está no gibi. Mas é preciso se dar ao trabalho de, vez em quando, procurar, fuxicar. Ou, vá lá, contar com um tanto de sorte de algo realmente novo aparecer nas listas de “descobertas” da semana dos seus aplicativos favoritos. Mas vamos ao que interessa.

Comecei com a lembrança do Groo, Vanguart. Os caras são de Cuiabá e já tiveram momentos de alguma badalação, apareceram em uns programas Globo e até gravaram disco do Multishow. Lançaram agora há pouco, junho, um disco que prometia muito mas entregou pouco: Vanguart sings Bob Dylan. Concentrado nos primeiros 15 anos da obra do bardo, a coleção de 15 faixas é incrível, mas no fim das contas o disco não ultrapassa a homenagem correta. Respeito demais, originalidade de menos. O que não combina com seus três discos autorais: Boa parte de mim vai embora, Muito mais que o amor (pra mim, o melhor) e Beijo estranho. Se for curioso, escute também o disco solo do vocalista Hélio Flanders, Uma temporada fora de mim. Hélio canta bagarai, apesar de ser dramático demais, às vezes.

Depois “fui” a Porto Alegre ouvir um disco que adoro: Maravilhas da Vida Moderna. Tristemente, o Rio Grande do Sul tem tradição de muito boa música pouco reconhecida, apesar do Humberto Gessinger. Fazia tempo que não ouvia Dingo Bells, a ponto de não saber que tinham lançado, no ano passado, seu segundo disco. Todo mundo vai mudar é muito bom, mas o “Maravilhas” é tão tão foda que, ao caírmos na armadilha da comparação, corremos o risco de não lhe dar o devido valor. E se você é meio vintage, que gosta de ter o CD em casa, vá à loja da banda, porque os álbuns não se resumem aos discos. Vêm numa embalagem diferente e com projeto gráfico de bater palmas.

O terceiro passo desses dois dias foi em São Paulo. Se você diz que gosta de rock ou, vá lá, indie e não conhece O Terno, sinto muito. Mesmo. Até agora, são quatro álbuns – além de aparições em um monte de outros discos, incluindo Lulu Santos e Tom Zé. O último, <atrás/além>, lançado agorinha há pouco, é bom demais. Meu preferido é o terceiro, Melhor do que parece. Agora, ouvir os quatro em sequência é algo muito legal, porque é quase tátil a evolução nas composições e na sonoridade.

Aí lembrei de O Berço e me mudei para Pato de Minas. Em 2014 lançaram Alto do Vale. E se você gosta da psicodelia setentista, entre outras influências, é um disco imperdível. Gosto muito. O problema é que a banda acabou. Dois dos integrantes originais saíram do Brasil e o que era pra ser um hiato virou o fim. Mas… Sim, há um mas. À turma que sobrou por aqui, se juntaram novos músicos de Patos e da região para fazer nascer uma nova banda: Pássaro Vivo (sim, o nome é ruim, mas lembrem-se que já tivemos Miquinhos Amestrados e Abóboras Selvagens). Por enquanto, o que temos é um EP com sete faixas, Sobre Asas e Raízes. Pro meu gosto, de médio pra fraco, uma pena.

No fim das contas, estou mesmo curioso sobre o que vai aparecer de sugestões depois de ouvir tudo isso em sequência, uma espécie de overdose no algoritmo.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s