Hora da escola

O texto abaixo foi publicado originalmente no dia 20 de novembro de 2010. Mas até hoje ele é disparado o post mais visitado, mas lido e comentado do blog, com mais de 5 mil visitantes únicos. E é por isso que resolvi republicá-lo, não por acaso na época de busca por escolas, de matrículas e rematrículas.

Na época procurávamos a primeira escola da Helena. Hoje, ela e Isabel seguem felizes suas vidas escolares. E é bem fácil deduzir que a Oga Mitá foi a escolhida.

Esse texto tem quatro filhotes e vocês podem encontrar todos eles clicando aqui e espero que sejam todos úteis.

E aos que decidirem visitar a escola, tenham a certeza que – além de serem muito bem recebidos – vão se surpreender. Basta estarem dispostos. E não esqueçam de dizer como chegaram à escola, que foi uma indicação do Gustavo, pai da Helena e da Isabel. A casa agradece de joelhos  ;).

Sabe aquela frase sobre o futuro de nossas crianças que já virou clichê: “não importa que mundo vamos deixar para nossas crianças, mas que crianças vamos deixar para o mundo”. Pois é, foi uma semana bem interessante essa que passou. Já peço desculpas antecipadas pelo texto longo que escrevi, mas achei que dividir essas experiências seria importante.

Já há alguns meses desde que a Mari começou a visitar escolas próximas de casa em busca de um bom lugar em que Helena comece sua vida acadêmica. E nesta semana fizemos um pequeno roteiro juntos. Como estou muito longe de ser um especialista em educação, minhas impressões refletem – simplesmente – o que percebi como pai em função do que gostaria para minha filha.

Construção

Foram cinco visitas nos últimos dias, teremos mais uma na segunda-feira. E em cada uma delas, olhos e ouvidos atentos às qualidades e defeitos. Como quando o ano letivo começar, em fevereiro, ela terá um ano e quatro meses, além de entender como é o processo pedagógico de cada uma, muita atenção às pessoas que possivelmente lidarão com nossa menina e com a estrutura oferecida, instalações etc.

A primeira visita foi à Oga Mitá. E algumas coisas interessantes chamaram muito a atenção. O primeiro ambiente, logo após passarmos o portão, é a biblioteca. A partir daí, não deveria ter sido surpresa encontrar, no sofá próximo à secretaria, uma menina confortavelmente instalada e concentrada no livro em suas mãos. Em horário de aula! Ao mesmo tempo, na pequena quadra, meia dúzia de quatro ou cinco crianças jogavam bola. A essa altura, Helena já andava pra lá e pra cá. E quando fomos fazer a visita propriamente dita e conversar com a coordenadora, ela já tinha se enturmado com as crianças de sua idade e ficou junto com a turma. Hummm…, foi o que pensei.

A linha de atuação da escola é baseada no construtivismo, o que – entre muitas outras coisas – incentiva a autonomia das crianças.

Hummm, continuei ruminando, quer dizer que é possível incentivar minha filha a pensar para que serve a tabuada ao invés de simplesmente fazê-la decorar que 7 X 9 = 63? É possível, mais do que ensinar, incentivar minha filha a decidir o que é certo para ela? Hummm…

Muitas questões

A segunda visita foi à Meimei, outra escola muito bem conceituada e que, em tese, também segue uma linha progressista. Fomos muito bem recebidos por todos e Helena, rapidamente, já estava mais uma vez entre as crianças. A estrutura da escola é bem legal, todas as pessoas muito simpáticas e tal, crianças nitidamente muito bem educadas, mas sabe aquela sensação de que algo não bate?

O que me incomodou foi um certo artificialismo, presente principalmente no discurso da coordenadora que nos recebeu. É que para ela tudo era uma questão. A questão do leve e pesado, do doce e salgado, do quente e do frio etc etc etc. Eram tantas questões e nenhuma resposta que fiquei ensimesmado. Alguém poderia dizer que o problema, então, não era a escola mas aquela pessoa. Mas, como lembrou a Mari, quem colocou aquela moça ali?

Três sapos

A sexta-feira foi bem movimentada, com visitas a três escolas. A primeira foi à J’Alevi. Mari já tinha visitado essa antes e, de certa forma, gostado. Na verdade, uma pequena escolinha tradicional, onde tudo funciona bem, profissionais simpáticos, crianças sorridentes e bem educadas. E bem perto de casa, pra ir andando. Mas aí, quem implicou fui eu. Um sobradinho acanhado, onde tudo é apertadinho e cheio de escadas. Pra mim, coisas que não combinam com crianças.

Logo depois, andamos mais 50 metros e chegamos à Sindicato da Criança. Fomos muito bem recebidos por uma das sócias da escola. A visita não ia mal não, muito pelo contrário, estava gostando mesmo do que via. Tudo muito simples, mas tudo bem feito e resolvido, até que entramos em uma sala e… “Haviam (sic) três sapos”.

A frase estava lá na parede, em um quadro em que as crianças, aparentemente, estavam aprendendo as primeiras noções de matemática. Depois dessa, precisa dizer mais alguma coisa?

Grande empresa

A última visita foi ao Mopi. É bem possível que, lá em 1973, quando a professora Regina Canedo fundou a escola, sua proposta fosse realmente brilhante. E se é inegável que a escola é conceituadíssima e acumula muitos bons resultados em sua história, minha impressão é de que – em algum momento de seus 37 anos – algo saiu dos trilhos.

Tudo é superlativo, o gigantismo é característica que grita aos olhos de quem circula pela escola. À primeira vista, a estrutura é sensacional e apesar de ser uma “escola vertical”, há espaço pra tudo. Mas como em tudo o que é grande demais, é nítida a impessoalidade no lidar com as pessoas. Sabe a diferença entre viajar e ficar numa pousada ou no Hilton? Foi o que senti.

Listo alguns detalhes que chamaram nossa atenção, infelizmente, sempre negativamente. Das escolas que visitamos juntos, foi a única em que Helena não conseguiu interagir com outras crianças. Foi a única em que vimos crianças correndo pelos corredores estabanadamente, esbarrando nos outros e sequer se preocupando em olhar pra trás para ver se estava tudo bem (pedir desculpas, então, nem pensar). Foi a única em que, antes mesmo de avaliar o desenvolvimento de Helena, já fomos avisados que ela teria que repetir a série (maternal 1 ou algo assim) em função de sua idade (porque ela teria 1 ano e quatro meses e o certo seria um ano e seis). Não fomos apresentados e não vi biblioteca, simplesmente não sei se existe. Funciona como uma grande corporação, terceirizando serviços como a alimentação, aulas de laboratório de ciências, aulas de inglês e sei lá mais o quê. É a única que em todas as suas salas há instalado um quadro board (primeira vez que vi uma redundância bilíngüe), usando a tecnologia como grande bandeira mas esquecendo que ela deve ser ferramenta ao invés de princípio.

Por fim, além de não encontrar qualquer coisa positiva, ainda é a escola mais cara.

O que queremos?

Nos recusamos a participar da neurose que tem tomado conta de muitos e muitos pais de nossa geração e escolher a escola em que Helena entrará com menos de um ano e meio imaginando em como isso se refletirá em sua colocação no vestibular. Também não queremos uma grife.

Em compensação, fazemos questão de um ambiente que seja agradável a ela, em que ela se divirta e aprenda de maneira natural, em que seja tratada como gente e não como a criança número 9 da lista de chamada.

Ainda lembro de uma troca de cartas entre meu pai e uma professora de português na minha quinta série, sobre uma questão de prova. Não acho que esse distanciamento funcione, não quero passar por algo parecido. Procuramos uma escola à qual tenhamos acesso, em que participemos ativamente do processo de educação de nossa moça, como parceiros que devemos ser, ao invés de entregá-la e buscá-la nas horas marcadas e vocês que se virem.

Ainda não tomamos qualquer decisão, ainda há outras escolas para visitar e algum tempo para pensar. Mas, como vocês podem ver, eliminar opções tem sido bem fácil.

Anúncios

77 comentários em “Hora da escola

  1. Boa Tarde,

    Toda esta publicação e comentários me ajudaram muito. Obrigado!

    Estou mudando de Minas Gerais para o Rio (Tijuca).
    Minha filha de 7 anos estuda o 2° ano do fundamental na rede Cenecista.
    Estou avaliando a possibilidade de transferência no momento.

    Infelizmente, terei de considerar o custo e tentar encontrar acertar a melhor escolha.
    Entre as escolas de baixo custo, alguém tem uma sugestão segura?

    Muito obrigado!

    Curtir

    1. Bom dia Renato, obrigado pela visita e comentário.

      Passe na Oga, faça uma visita, entre em contato. Diga que foi o Gustavo que lhe indicou. Se gostar da escola e da proposta, depois de levar o susto com o valor da mensalidade, marque uma conversa com a direção pra falar sobre mensalidades. E converse, converse muito. Quem sabe não dá? Vai que sua filha não vira colega de turma da minha mais velha…

      Curtir

  2. Prezado Gustavo,
    Como você, em 2010, estou na busca de uma escola para o meu filho. Ele irá para o primeiro ano. Parece-me que você procurava uma escola construtivista na região da Tijuca. Esse é o meu caso e também tive a mesma impressão das escolas MEI MEI e MOPI. Infelizmente também não gostei do Oga Mitá e confesso que fiquei muito frustrada, pois as referências eram ótimas. A escola de que gostei muito foi a Aldeia Montessori. Infelizmente, o Meier é meio longe pra mim.
    Por isso, pergunto, você conhece outra escola construtivista, na região da Tijuca, Grajau e Vila Isabel?
    Obrigada

    Curtir

  3. Olá, Gustavo. Tudo bom? Interessante como seu texto permanece atual. Gostaria de saber se você chegou a visitar a Escola Jabuti? Em caso positivo, qual a sua impressão? Abraço,

    Curtir

      1. Obrigada pelo retorno Gustavo. Ajudou muito. É realmente muito difícil escolher e é uma pena q a Oga Mita seja muito longe pra mim… Abs.

        Curtir

        1. Paula, há várias boas escolas por aí, vale a pena pesquisar. Algumas com perfil mais tradicional, outras mais modernas. Mas boas. O cuidado que acredito que devamos ter, na verdade, é ter a certeza de que – ao menos – o discurso seja compatível com a prática, com a realidade.

          Boa sorte na sua busca. E, se depois de escolher, quiser dividir como é a escola, fique à vontade. ABs.

          Curtir

  4. Parabéns pelo texto e comentários.

    Alguem pode me dar alguma referência sobre a Escola Monte Alto na Tijuca? Minha filha vai começar ano que vem com 1 ano e 3 meses.

    Curtir

    1. Não a conheço, não a visitei. Mas por mais moderna que possa ser na intenção e até no projeto inicial, é ligada à igreja católica. Ou seja, tende ao tradicional. Isso não é necessariamente um problema, claro que não, mas é uma característica que eu, por exemplo, tenho como excludente. Faça uma chamada dessas, pedindo informações, nas redes sociais. Talvez você consiga respostas mais rápidas.

      Abs. e obrigado pela visita.

      Curtir

  5. Olá Gustavo,
    Tenho uma filha que fará 4 anos 1/9/16 e precisei tirar ela da escola-creche por recomendação médica (problemas respiratórios e não podia toda hora ter viroses). Precisava de um tempo para os pulmões dela.
    Então, ela estava na Dindinha, uma escola que tem integral também, ela ficava de 7 às 16:00 e nunca reclamou de lá. Tínhamos acesso total às professoras e direção. Usam o construtivismo. A instalação não é muito moderna, mas o convívio das crianças lá é bem legal. Não tinha crianças mimadas e voltadas para tvs e tablets como vi na Pintando o Sete.
    Provavelmente eu a troque de escola, pois quero avaliar se em outra ela se desenvolve mais e tem menos viroses…..mudanças sempre são bem vindas!
    Gostaria de saber desse Oga Mita, alguém já colocou seu filho lá e como está se saindo?
    Atc,
    Cíntia

    Curtir

      1. Olá Gustavo, muito rico seis textos!
        Obrigada.

        Eu olho nas redes sociais sobre as escolas e principalmente nos comentários

        Abs

        Curtir

  6. Olá, Gustavo! Visitei algumas escolas na Tijuca para minha filha de 2anos e meio e está sendo missão difícil encontrar uma que nos dê segurança/ confiança. Tradicionais, espačos com muitas escadas para locomoção dos pequenos, algumas desorganizadas… Somos de Fortaleza/ Ce e estamos morando próximo ao colégio São José. Não conhecermos muita coisa aqui, então li atentamente o seu relato, bem como dos demais. Seria muito bom pra mim saber a escolha que vocês fizeram, tendo em vista que estão satisfeitos. Se possível, aguardo retorno.

    Curtir

  7. Super interesante, o post e tudos os comentarios. Como o post é antigo vou ser mais uma que pede para você contar um pouco mais como tem sido estes anos de escola da sua filha, onde você matriculo sua filha? onde ela esta estudando agora?
    Minha situação é um pouco diferente do diferente, eu e meu marido somos chilenos, moramos na Tijuca, mais estamos por um ano na Holanda, então nosso filho esta aqui na Holanda numa escola internacional (metodologia Montessori), então ele fala espanhol pois em casa é o idioma oficial, ele aprendeu português na creche (no Brasil), na rua e com nossos amigos brasileiros, e aqui na Holanda esta aprendendo ingles na escola (é o idioma principal da escola). Em fim a experiencia da escola aqui esta sendo ótima, vemos o nosso filho que ja esta quasi com 5 anos aprendendo um monte de coisas, entre elas o ingles, e alem disso super animado. Mais quando voltemos no Brasil, para o 2017 (ele tera 5, quasi 6 anos) precisamos de uma escola para ele, e sinceramente nem eu, nem meu marido gostamos de metodologia tradicional, e alem disso seria especialmente difícil (e ate agresivo) para nosso filho que esta numa escola Montessori de verdade aqui na Holanda.
    Meu e-mail esta na ficha de cadastro, se puder compartir um pouco mais suas experiencia com Helena, por aqui ou por e-mail, eu agradeço muito.

    Curtir

  8. Fujam da escola MEIMEI !!! Péssima escola! Eu infelizmente me iludi com a excelente estrutura e com a proposta alternativa que propõe educar de forma natural … Mas é tudo enganação!!!
    Minha filha estuda lá… Mas ano que vem vou colocar em outra escola porque é revoltante você receber o seu filho triste e chorando dizendo que não quer ir para a escola… Porque a professora não ensina nada !!! E pior faz seleção das crianças que ela acha que deve ensinar em detrimento das outras… Isso não é escola!!! Observação… Minha filha tem 6 anos… Já entende as coisas!!!

    Curtir

  9. Olá Gustavo, tudo bem?

    Adorei a sua análise sobre as escolas. Minha filha irá ano que vem para o 4o ano do fundamental e estou fazendo uma pesquisa pra saber em qual escola farei a matricula.
    Não quero também uma escola tradicional ao extremo, visitei o Palas e descartei-a no mesmo dia.
    Gostaria de conversar com você sobre o Oga Mitá, pode ser? Gostaria de trocar uma ideia. Inclusive já agendei uma visita e estou fortemente convencida de que vou amar a escola, a proposta.

    Curtir

      1. Oi Gustavo!
        Não sou do Rio, cheguei há uns três meses com a família e acabei colocando meu filho de três anos na Mundo Infantil. Ele sempre gostou de ir à escola, começou com um ano, sempre foi participativo e animado, mas sinto que não está feliz e isso tem me deixado aflita. Achei seu blog ao buscar informações sobre a Oga Mita no Google. Quero ir lá ainda essa semana, porque pelo que li, parece uma escola que permite mais a participação da família. Mas ao mesmo tempo temo que seja uma escola que não imponha limites nem regras, o que também acho importante para a formação da criança. O que me diz como pai? Quero tanto devolver ao meu filho o prazer da aprendizagem, com componentes lúdicos, mas sem abrir mão da disciplina. Acha que é uma boa opção? Muito obrigada!

        Curtir

  10. Olá, Eu estudei no Santa Teresa na época que era construtivista, mas nunca tive incentivo a leitura, o colégio não pregava isso, era uma questão de liberdade, achei a base de lá fraca… Hj meus filhos q vieram de creche construtivista optei por uma tradicional, o Palas, pois na creche não tinham limites e em casa eu sofria com isso. O Palas é bem tradicional, mas uma escola pequena, todos conhecem meus filhos, isso é muito bom, e o integral de lá possui várias atividades, eles amam. Só acho que não sabem lidar muito com as crianças bagunceiras, o caso do meu mais velho, por isso estou analisando outras opções. Queria uma meio termo, alguma indicação?

    Curtir

    1. Dani, não sei nem o que te dizer, porque fujo de tudo o que se parece com Palas, São José etc. Construtivismo é algo muito curioso, porque de uns tempos pra cá todo mundo usa no discurso mas poucos realmente sabem o que fazer. Porque é muito amplo. Essa questão do limite, por exemplo. As escolas que realmente são construtivistas dão autonomia às crianças e as ajudam a entender os limites, o respeito ao próximo e ao ambiente em que vivem. É uma questão de construção de consciência.

      Eu indicaria que você procurasse escolas como Oga Mitá ou CEAT. Ou a MeiMei, que é montesoriana. Eu não gostei da escola quando a visitei, criei uma implicância pela pessoa que apresentou a escola. Mas conheço gente que está lá e está muito satisfeita.

      Espero ter ajudado.

      Curtir

      1. Gustavo,

        Sou mais uma mãe desesperada.
        Meu filho tem 7anos tem TDAH e não lida bem com regras rígida. Hoje está matriculado no QI mas não sinto acolhimento ou “jogo de cintura”.
        Estou pensando em mudar para uma escola construtivista.
        Poderia me dar uma opinião sobre uma boa escola para ele?
        O Oga Mita não tem seriação?

        Obrigada

        Curtir

        1. Fujam da escola MEIMEI !!! Péssima escola! Eu infelizmente me iludi com a excelente estrutura e com a proposta alternativa que propõe educar de forma natural … Mas é tudo enganação!!!
          Minha filha estuda lá… Mas ano que vem colocarem em outra escola porque é muito triste você receber o seu filho triste e chorando dizendo que não quer ir para a escola… Porque a professora não ensina nada !!! E pior faz seleção das crianças que ela acha que deve ensinar em detrimento das outras… Isso não é escola!!!

          Curtir

        2. Dá uma olhada na Esil que é como o ceat, é uma escola inclusiva. gostei muito de lá pois minha filha também tem tdah.

          Curtir

    2. Minha filha foi pro Marista São José esse ano, ela está apaixonada pela escola, eu tenho ressalvas. Não pela estrutura que é maravilhosa, professores ótimos, mas pela quantidade de carga religiosa que é passada. Quando optei pela escola, sabia que haveria, mas não que seria tanto…
      Ela veio de uma escola pequenininha, cheguei a pesquisar algumas escolas construtivistas como a Oga Mitá, acho a teoria muito linda, mas sempre acabava achando que não era o meu perfil…

      Curtir

      1. Optar por uma escola não tradicional tem duas questões: a primeira é saber se é o perfil da criança; a segunda é, mesmo que não estejamos acostumados pois fomos educados (a maior parte de nós) em escolas tradicionais, se confiamos na escola, no projeto pedagógico da escola.

        Curtir

  11. Olá Gustavo, parabéns pelo seu texto! Uma ótima contribuição nessa fase tão difícil.
    Vamos matricular nosso filho na escola ano que vem com 2 anos e cinco meses e como muitos pais estamos cheios de dúvidas.
    Conhecemos semana passada a Oga Mitá, meu marido simplesmente adorou. Confesso que ainda estou digerindo as novidades, não ter seriação é algo que me deixa bastante insegura.
    Preciso ainda de algumas reuniões para responder minhas principais perguntas.
    Senti falta de laboratórios, embora meu filho não vá usá-los tão cedo.
    Mas isso pode ser algo bem simplista perto das experiências que ele pode ter.
    Gostaria de saber qual foi sua escolha e se continua satisfeito.
    Muito obrigada!

    Curtir

  12. Olá, Gustavo! Estou a um ano pesquisando e visitando algumas cheches escolas. Meu filho encontra-se com 1 ano e 8 meses e até agora nada encontrei que realmente me agradasse. Não conhecia a Oga Mitá até o seu artigo; pretendo ir conhecê-la. Porém, gostaria que me respondesse se realmente você ainda indicaria esta escola. Meu conflito é muito grande, pois meu pai estudou no São Bento e sonha em ver o neto lá… Mas, pelo menos por hora quero colocar meu filho em uma escola não tradicional. Muito grata pelo seu artigo, sempre será atual.

    Curtir

      1. Olá! Procurar escola tem sido um sofrimento pra mim. A escola que meu filho está se diz sociointeracionista, mas é das mais tradicionais, daquelas em que mandam cobrir pontilhados e a professora faz os trabalhos ao invés da criança. Você pode fazer uma lista das escolas visitadas e recomendadas? Ajudaria a amenizar a angústia. Obrigada!

        Curtir

  13. Estou começando o processo. Quais seriam os colégios construtivistas ? Mopi e Oga Mita ?

    Palas e São José são tradicionais ? Mundo infantil já ouviram falar ?

    Curtir

  14. Gustavo, afinal, sua filha está no Oga? rs! Estou querendo colocar o meus 2 lá! Tirando de uma escola tradicional, que atendeu muito bem enquanto creche, mas que não posso permitir continuar agora. Me ajuda nesse empurrãozinho que falta. Rs!

    Curtir

  15. Olá Gustavo!
    Seu relato foi feito há 4 anos, mas continua ajudando pais desesperados!
    Vou matricular a minha Cecília no 1º ano e estou arrancando os cabelos!
    Eu gosto da filosofia construtivista, gosto da ideia de educação para a liberdade, de expressão, de criação, de entendimento. Mas meu marido se interessa por uma visão mais didaticamente organizada, que prepara para a loucura da competição que mais cedo ou mais tarde, quase que inevitavelmente eles terão que enfrentar…
    Visitei o Mopi e tive exatamente a mesma impressão que você! E me parece que a visão empresarial diz respeito ao lucro também, já que me cobraram quase 3 mil reais pelo integral de 1º ano… sustooooo!!!! rs!
    Acho que visitarei a Oga Mitá e o Marista São José…
    Oh Céus!

    Curtir

  16. Olá tenho ótimas referências sobre o Oga migá, mas gostaria de saber sobre o valor da mensalidade, alguém sabe a média de preço para o ensino fundamental?

    Curtir

  17. Bem, sou muito suspeita em falar pois meu filho era de uma creche pequena ao lado de casa e com 3 anos colocamos ele no Mopi e esta até então. Eu e meu marido adoramos a escola pois realmente o Luca não é um número e sem contar que o ensino é ótimo. A escola realmente possui muitos recursos informatizados e percebo que é o mundo deles, não vejo exagero nisso. Quanto ao insentivo a leitura afirmo que meu filho hoje com 10 anos lê muito mais livro do que eu é meu marido juntos e devo isso a escola mesmo com uma biblioteca tímida. Se isso fosse representação viva de influência a leitura todos nos deveríamos ler muito pois a Biblioteca Nacional é gigante. Quanto ao corre corre pelos corredores e empurra empurra devo afirmar que esse é um lugar de crianças e já tive a oportunidade de conhecer escolas católicas onde as crianças quase se matam. Não existe fórmula o que existe é saber onde seu filho é feliz. Minha opinião!

    Curtir

    1. Oi Carmem, Tenho muita vontade de colocar minha filha no mopi, ela também tem esse desejo mais nunca fui adiante pois as pessoas falam que a mensalidade é muito alta, mas ninguém me fala o valor e nem eles. Tem como vc me dar uma ideia de quanto seria.. Pode me enviar em off se preferir. Agradeço desde já. Ana

      Curtir

  18. Prezado,

    parabéns pelo artigo. Também estou procurando uma escola para meu filho de 3 anos. Se importaria de me informar a escola em que matriculou a sua filha e se realmente está gostando? Att,
    Ana Paula

    Curtir

    1. Gustavo, adorei o seu texto e tenho as mesmas impressões. Vi que você acabou matriculando Helena em uma escola construtivista, mas você não a cita. Fiquei mesmo curiosa para saber qual escola você escolheu. Se puder, poste aqui. Obrigada

      Curtir

  19. Boa noite Gustavo e Família!

    O seu relato será sempre atual. Quando pesquisei escola para minha filha, também fiu em algumas que você citou. Fui no Mopi e vi a tal biblioteca. Isso porque pedi para ver. Ainda mais que antes visitei o Oga Mita. E foi a minha primeira paixão. Uma biblioteca no início da escola. E lá no Mopi, a tal biblioteca era uma estante com alguns livros. E a passada por lá foi bem rápida. Demorou mais mostrando o quadro tecnologico.
    Acabei matriculando minha filha em uma escola que se diz progressista mas que na verdade é tradicional. E estou repensando a permanencia dela no proximo ano.
    Confesso que fiquei curiosa em saber qual escola matriculou sua filha. Pode responder por emai?
    Parabéns

    Curtir

  20. Uma escola que vale a pena colocar o filho menino é o Colegio São Bento do Rio de Janeiro. Meu filho de 6 anos está adorando a escola. Eu recomendo.

    Curtir

    1. Olá Maria, obrigado pela visita e pelo comentário. Mas se tem uma coisa que eu jamais faria com meu filho seria mandá-lo pra lá. Religioso e tradicional ao extremo. Tudo o que eu não procuro, tudo o que eu não recomendo para uma criança.

      Curtir

      1. Oi, Gustavo! Adorei suas análises, pois estou na fase de ver escola para o Caetano… Eu não achei que fosse tão complexo encontrar um colégio para uma criança de 2 anos…. rs…
        Bem, das escolas que você citou, só conheci a Meimei… Não achei tão artificial assim, mas achei as coisas meio soltas. Talvez, eu tenha ficado mais chocada por ter tido uma educação tradicional e não estar familiarizada ao método montessoriano.
        Estou buscando mais informações sobre o método construtivista, mas gostaria de saber qual a escola que você escolheu pra sua Helena… Meu email é ana.distefano@gmail.com.
        Agradeço muito , se for possível me passar.
        Um abraço,
        Ana

        Curtir

  21. Qual escola matriculou a Helena?
    Meu filho está com 3 anos e matriculado em uma creche. Em 2015 vamos matriculá-lo em uma escola… gostei do seu relato pois não tinha ouvido falar ainda no Oga Mitá nem Meimei.
    Estava interessado em um colégio mais tradicional (talvez ligado a uma igreja pois passa mais confiança), fora do ensino mecanizado que tenho visto na maioria dos colégios, e a impressão do Marista que passaram aqui me preocupou (não que eu fosse matricular meu filho lá, devido a distância e ao preço).
    Vamos fazer as visitas aos colégios com um olhar mais crítico, observando tudo agora.

    Curtir

  22. Oi Gustavo, tenho 02 filhos um de 09 anos e outro de 16 anos, ambos estudam no Mopi, como toda escola tem seu lado bom e seu lado negativo,como tudo na vida. O que me encanta na escola e que lá eles não são um número na chamada, eles tem nome e sobrenome e existe uma parceria de verdade, entre a família e a escola. Criança correndo, sem olhar para trás ou nao pedir desculpas, acho que isso vem mais da educação que a mesma recebe em casa, na minha opinião. Sou muito suspeita em falar de escola, pois sou apaixonada pelo Mopi, do porteiro o Luís que sabe o nome de todas as crianças , aos coordenadores, professores e os donos. Mais que bom que vc encontrou tb uma boa escola, para sua pequena Helena.

    Curtir

    1. Que bom que você está feliz com a opção que fez, no final das contas é isso o que importa. Apesar de toda a busca, que não se resumiu às escolas que citei aqui, não acertamos de primeira. Mas hoje também estamos felizes. O que não quer dizer que não tenhamos problemas, é inevitável como você mesmo disse.

      Concordo que educação é uma questão de berço, da convivência e da dedicação dos pais e de toda a família. O problema é que, como nossas crianças ficam cada vez menos tempo conosco, a escola tem papel fundamental nessa construção. E entre as escolas citadas, foi a única em que encontramos essa situação.

      Obrigado pela visita e comentário.

      Curtir

    2. Oi Sheila, queria te pedir uma ajuda, quero colocar minha filha no mopi, mais todos me assustam falando do valor da mensalidade mais não consigo descobrir qual é> Se nao for um problema pra você, tem como me passar mais ou menos para eu ter uma ideia e se realmente for surreal pra mim desisto dessa ideia. Desde já agradeço. Me passa por email asvilano@gmail.com. Obrigada. Ela iria para o ensino médio.

      Curtir

  23. Olá! Também fiquei curiosa sobre qual escola colocou sua filha. Sou mãe de um menino e procuro a melhor opção para ele – se puder me dizer por email agradeço muito.

    Curtir

  24. Oi Gustavo, li seu texto e me identifiquei muito com o que escreveu! Tb fiz a escolha por uma escola construtivista por entender que a minha pequena se sentirá mais feliz com esse tipo de formação. Em que escola vc acabou matriculando Helena? Outra coisa, tem uma escola no Grajaú que tem tudo a ver com as suas aspirações, e acho que vale a pena dar uma olhada, pelo menos foi a minha escolha para Luiza. Escola Bia Rizzo. Dá uma olhada e vê o que acha, e depois, se possível, me dá um retorno. Parabéns pelo seu texto e pela sua lucidez e preocupação na criação da Helena.

    Curtir

  25. Oi Gustavo,
    Estou vendo que faz tempo que você escreveu esse texto, mas estou passando por uma situação parecida, visitei as mesmas escolas que você e tive exatamente a mesma impressão.
    Meu filho está indo para o primeiro ano e até hoje estava numa escola tradicional, que usava a pedagogia Freinet, apenas para avaliação. Eu e meu marido gostávamos da escola, mas a partir do primeiro ano as crianças são avaliadas de maneira tradicional, existem provas formais e como somos ambos artistas isso está longe do que queremos para o nosso filho.
    De todas as escolas que visitamos ainda estamos entre a Ogá Mitá e a Meimei, não descartei a segunda pois a mensalidade da primeira é 90% mais cara. Fico muito preocupada, pois tenho amigos que pagam escolas caríssimas para seus filhos e ficam insatisfeitos com a professora. A gente sempre acaba sendo crítico demais e não gostando de uma coisa ou outra, não é? Afinal, são nossos filhos, mas professor me preocupa demais, pq é a pessoa que vai estar em contato direto com meu filho.
    Eu imagino que, se você não encontrou uma outra escola melhor, provavelmente sua filha ficou na Ogá Mitá, que é uma excelente escola, gostaria de saber que outras escolas vocês visitaram, não necessariamente construtivistas, pois o construtivismo é tão somente uma filosofia, a escola trabalha como quer, estou a procura de escolas que trabalhem pedagogias como a Montessoriana (como Meimei, Esil ou Aldeia) ou Freinet (caso da Ogá Mitá).
    Se não for muito abuso, por favor me responda por e-mail: pmoschini@gmail.com
    Um abraço, saúde e paz.

    Curtir

  26. Gustavo, por favor, vi que várias pessoas perguntaram onde está a tua pequena. Eu tenho um bebe de 9 meses e já estou com esta preocupaçao antes mesmo de ele nascer. Me identifiquei muito com sua opiniáo, vejo que os seus pontos do que é realmente importante, batem com os meus. Algumas pessoas me perguntaram onde a sua pequena está, mas voce nao respondeu. Voce poderia responder? Se preferir, me responda por e-Mail: drika0506@hotmal.com. Tenho pensado e pensado muito nisso. Até porque vivo um conflito, já que meu marido é Irlandes e fala em enviar o nosso filho para estudar lá (onde este ano ficou em quinto lugar como melhor educaçao mundial) e eu nao consigo me imaginar fazendo isso, nem indo morar lá. Entao quero muito encontrar aqui uma escola onde valha a pena coloca-lo. Agradeço desde já pelo post acima, por compartilhar sua opiniao e se puder me responder onde sua filhinha está estudando.

    Curtir

  27. Olá, Gustavo

    Acabei de colocar minha filha de 2 anos e meio no Mopi e ela está em período de adaptação.

    Eu tenho percebido essa impressão que os alunos são apenas números, mas eu conheci a escola numa visita totalmente informal: eu fui buscar a filha de uma amiga que estava no maternal II e aproveitei para conhecer o lugar.

    O que mais me encantou foi como eles conseguem, entre tantas crianças, conhecer tão a fundo cada uma delas. Foi exatamente esse o motivo deu ter decidido colocar ela lá. Eu tento conversar com a psicopedagoga ou com a tia do maternal nos corredores e é quase impossível, porque logo vem uma criança correndo e se agarra no pescoço delas e dá beijos e abraços… Fiquei encantada.

    Confesso que a zona de crianças correndo sem pedir desculpas nem nada me assusta um pouco, mas eu ainda vou conversar com o núcleo pedagógico a respeito. Isso é outro ponto positivo por lá. Os pais podem entrar a hora que quiserem e conversar sobre qualquer coisa com os pedagogos, a coordenação. Eles são muito abertos ao diálogo.

    Mas no final das contas, eu fiquei curiosa. Onde está sua filha e quais suas impressões?
    🙂

    Curtir

  28. Oi Sirelli. Eu só fui no MOPI. E até que gostei. Mas fui sem a Lelê. Tem biblioteca e realmente as crianças correm pelos corredores, parecendo sem supervisão. Mas o meu caso é diferente. A Lê tá no Instituto Agostinho Moreira desde os 6 meses. Poderiamos mudá-la, mas numa conversa com o pediatra ele disse: – Ela não vai brincar mais ou menos em uma ou outra escola. Agora ela só tem que brincar bastante, interagir. Não tem que ser cobrada de nada.
    Então Lê vai ficar no IAM mais um pouco. Mesmo porque a diferença de preço no integral é considerável e não compensaria. Uma questão de custo-benefício mesmo. Além do IAM ser do lado de casa.
    Gostei muito de ver a sua “pesquisa”. Assim pode me guiar para a minha decisão de trocar de escolinha. Bjão.

    Curtir

    1. Eu fiquei realmente assustado com o Mopi, principalmente pelo bom conceito que tem e o que vi pessoalmente. Achei estranha a história da Biblioteca e é bom saber que tem. Mas não deve ser muito importante, pois não nos foi apresentada. É claro que não esperamos que a Helena saia devorando as bibliotecas escolares com menos de dois anos, mas imagino que não vamos ficar mudando de escola todo ano, então é o mínimo que podemos imaginar ao olhar para frente, perceber quem dá valor a quê. No caso dos livros, é importante conviver com eles desde cedo para aprender a gostar, ter intimidade.

      Seu pediatra está certo, elas tem é que brincar. E assim, aprendem as coisas naturalmente, pelas esponjinhas que são. E até isso eu não gostei de lá, me pareceu que tudo é mecânico, nada soou natural. Nem para crianças da idade das nossas.

      Ainda vamos visitar outras escolas e a grana também pesa nessa decisão, afinal não é sempre que podemos ter tudo o que queremos. Vamos ver no que vai dar…

      Curtir

      1. Olá amigo,
        Hoje vc já deve ter escolhido uma escola para sua menina, mas hoje eu, com um menino de 5 anos faço alguns questionamentos, após iniciar uma faculdade de pedagogia por causa do meu Lucas, mesmo sendo da área jurídica.
        Lucas estudou em uma escola construtivista desde o maternal, Studio da Criança, quando percebi que tudo queria fazer do seu jeito não aceitando qq orientação do que seria o mais correto, vi que precisava mudar.
        Coloquei em um colégio tradicional, Marista São José, mas errei pq ele é mais um, apenas o número 9…, e sua professora só sabe gritar, manda ele se virar sozinho, uma grossa e ele não tem o menor estímulo de ir para escola.
        Hoje estou pensando o que fazer?? Em Julho…imagina que situação…
        Ah sim moro na Tijuca, no Rj
        Um abraço,
        Neuzimar

        Curtir

        1. Oi Neuzimar, obrigado pela visita.

          Sim, Helena já está na escola desde o ano passado. E está numa escola construtivista sim. Uma coisa que percebemos enquanto visitávamos escolas é que há trocentas escolas por aí com discursos proguessistas, principalmente construtivista (parece que está na moda) mas que no final é só o discurso. E é muito difícil, para quem não é especialista, perceber isso antes da matrícula.

          Sobre o São José, o que posso dizer é que – apesar de muito tradicional – já era antiquado quando eu era adolescente. E não vai mudar, pois está ligado à igreja.

          Não fomos à Studio, então não vou me arriscar a falar sobre. Mas a experiência que estamos tendo com Helena é maravilhosa. E sim, ela tem limites. E às vezes os ultrapassa, como qualquer criança.

          Curtir

          1. Oi Gustavo, adorei seus comentarios, ano que vem meu filho vai para o 1ª serie antigo CA, estou indo em varias escolas tb, e olha é muito dificil . Fui no Mopi gsotei muito da estrutura da escola, com certeza ela seria a escola do meu filho, se eu não tivesse ido na hora do recreio fiquei muito assustada, uma gritaria teve uma criança parecia o homem aranha tentando subir pelos vidros da sala Gastronomica e eu como trabalhei anos com vidraçaria fiquei assustada, se aquele vidro quebrasse coisa que não seria impossivel. O refeitorio estava uma loucura, por mais que tentasse não consegui imaginar meu filho no recreio. PS. eu vi a biblioteca porem ela disse que ela quase não era mais , eles usam mais o computador.
            Vi o Lobo da Cunha mais a escola estava estava de ferias ai não temos como ver realmente a realidade.
            Quero ver o Palas falam muito bem dele, não sei se vou gostar pois lá é tradicional.
            Gosto muito com a educação contrutivisma ajuda a criança a criar não fica aquela educação “engessada”
            Fiquei super curiosa qual é a escola que sua filha está se não quiser colocar aqui me fala por email , pois fiquei curiosa.
            Um abraço

            Curtir

          2. Boa tarde. Cheguei aqui no seu blog pois estou procurando escola na regiao da Tijuca, Já morei no Rio mas agora é uma época bem diferente. Minha filha tem 8 anos e vai para o 3o. ano Fundamental 1; Se você colocou sua no Oga mita e gostou ou não ou em outra escola gostaria muito de receber seu comentário. Provavelmente me ajudará na escolha. Também se outros pais souberem ficarei grata. Minha filha tem tdah predominando ser muito ansiosa. Muito legal seu texto. Obrigada. meu email: elimail@uol.com.br. Eliane.

            Curtir

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s