Prova dos nove

Acabei de me dar conta que usei duas vezes, no post anterior, a expressão ‘noves fora’. Feio isso de ficar repetindo palavras no texto. Mas tentando voltar ao que interessa, vocês aí lembram da prova dos nove? Pois é, fico pensando em como essa molecada anda aprendendo matemática por aí, com o uso da calculadora quase totalmente liberado. Tenho um amigo com filho em ano de vestibular que está pagando todos os seus pecados, porque usou a tal maquininha a vida inteira e, de repente, precisa aprender e/ou se acostumar a fazer as contas na mão.

Voltando aos ‘nove fora’ (se você não lembra como é, vá pesquisar; eu fiz isso), achei a pérola aí abaixo. E como o vídeo é muito antigo e o som bem ruim, vai também a letra de Fagner e Belchior.

Noves fora

Meu Deus, o que é que faço
Tua beleza ta me carregando pelo braço

Da laranja eu quero um gomo
Do limão quero um pedaço
E da menina mais bonita
Eu quero o beijo e o abraço
É tudo ou nada
Noves fora, nada

Já rezei até pro meu santo
Na terra do Canindé
Que me dê um homem grande
Que pequeno não dá pé
É tudo ou nada
Noves fora, nada

A tua falta somada
A minha vida tão diminuída
Com esta dor multiplicada
Pelo fator despedida

Deixou minh’alma muito dividida
Em frações tão desiguais
E desde a hora em que você foi embora
Eu sou um zero e nada mais

Um, dois, três, ene, infinito
do meu lado esquerdo você quer é demais
Ah, meu Deus, o que que faço

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s