Estive aqui pensando uma maneira de acabar com essa paz insuportável (2)

Sabe essa paz de mentirinha que temos por aqui e que foi festejadíssima após a ocupação do Alemão e da Vila Cruzeiro, apesar de todos os grandes chefes do tráfico terem escapado? Pois é, continua por aqui. A gente finge que não vê o problema, o governo finge que faz alguma coisa de verdade e, com a tragédia da serra, ninguém mais fala do tema – afinal, é preciso socorrer mesmo a turma que está em dificuldades.

Mas como sempre, daqui a pouco passa o período de comoção e voltamos todos às nossas vidinhas. E a violência? Voltará a ser o centro das atenções? Ou será que isso acontecerá só depois do carnaval? Na verdade, o quando não faz diferença porque daqui a pouco teremos algum problema que será seguida por alguma invasão da polícia e começamos a brincar de polícia e ladrão outra vez.

No entanto, há um problema muito mais grave – do ponto de vista da segurança pública – que o tráfico de drogas: milícias. E alguém aí prestou atenção de verdade ou tem vaga memória do discurso de posse do nosso querido governador? Pois vejam o trecho que, aqui e agora, nos interessa:

Em 2014 não haverá uma comunidade, um bairro do nosso estado dominado pelo poder paralelo, seja miliciano, seja traficante

Depois de ler esse belíssimo rasgo de otimismo do nosso mandatário, peço que façam uma pequena reflexão. Vocês sabem que são os milicianos? E como eles atuam? É claro que alguma noção vocês devem ter, nem que seja porque assistiram Tropa de Elite 2. Então, vejam o que disse o antropólogo e pesquisador do Instituto Universitário de Ciências Policiais da Universidade Cândido Mendes, Paulo Storani:

São policiais, ex- policiais, bombeiros, estão ligados à estrutura oficial, possuem uma rede de relacionamentos que permite ter informações. Estão infiltrados em várias camadas de poder, no executivo, no legislativo, no judiciário. É crime organizado mesmo. O objetivo é a entrada no poder, é o lucro. Eles montam estrutura para isso. Milícia é uma atividade criminosa, com mais poder do que qualquer facção do tráfico. Eles conhecem o sistema, sabem como funciona. O governador criar expectativa é positivo, mas é preciso saber resolver o problema. E, sinceramente, o problema é muito mais difícil. Milícia vai ser o problema da década e não vai terminar em 2014. É um negócio muito rentável. Os operadores conhecem o sistema a ponto de se adaptarem ao que vai acontecer

E só pra constar, Storani não é apenas um teórico não. Ele é ex-capitão do BOPE.

Então, enquanto você continua assistindo comerciais do governo do estado mostrando a bandeira hasteada no Alemão como um grande símbolo da paz conquistada, é bom começar a se preparar para uma guerra muito mais dura e mais profunda que vêm por aí.

Claro, se o governador quiser – de verdade – resolver o problema.

Anúncios

2 comentários em “Estive aqui pensando uma maneira de acabar com essa paz insuportável (2)

  1. Concordo, a paz é de mentirinha. E teu texto me lembrou isto aqui:

    As vitrines estão sempre acesas
    A paz é feita de pequenos crimes
    E de muros cada vez mais altos
    Aguardando grandes assaltos
    Vigiados todos nós estamos calmos

    Não podemos ler as placas e os out-doors
    Não teremos filhos, netos
    Não tivemos pais e avós
    A paz é inútil para nós
    A paz é o que não podemos ter
    Que a paz esteja com você
    A paz com todas as forças
    Prá deixar tudo como está
    Na TV, na vitrine, no cartaz
    Não se deve perturbar a paz
    Fique em paz!
    Ao som dos alarmes
    Homens e mulheres armados
    Cães e crianças brincando com armas
    A paz com todas as forças
    Fique em paz
    A paz é inútil para nós
    Fique em paz
    Que a paz esteja com você
    A paz está por trás de doces palavras
    E lenços brancos e buquês de flores
    Pairando no ar sobre o mar
    Num amanhecer em algum lugar
    É dia das crianças, reveillon, natal
    Dia de graças, das mães, dia de sol
    A paz é inútil para nós
    A paz é o que não podemos ter
    Que a paz esteja com você
    Fique em paz!

    Curtir

  2. O governador nunca mentiu. Ele disse que ia pacificar o Rio, não resolver os problemas. Agora se vende drogas em paz, com proteção da polícia. É mais barato, mais seguro e fica bem na foto.

    Curtir

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s