La Côte d’Azur sur les pilules

Domingo tem corrida em Mônaco. Uma pista que praticamente não mudou em 70 anos, o que nos faz chegar facilmente à conclusão de que a F1 não cabe ali. Se compararmos então com todos os autódromos e suas exigências de segurança, não dá pra entender como é que a F1 ainda vai ao principado. Dá pra perceber isso no vídeo abaixo, em que Mark Webber apresenta a pista.

Mas há a tradição e a grana, e tudo o que pode derivar destes dois aspectos. Enfim, a corrida em que não se pode pensar em errar, devido à proximidade constante dos guard rails, pode até ter surpresas. Mas se o tempo estiver bom e a largada for tranqüila, sem problemas na primeira curva, quem completar a primeira volta na frente deve terminar a corrida na frente. Mas há algumas variáveis que devemos levar em conta.

A classificação pode embaralhar muito o grid. Não é por ter 24 carros numa pista pequena e apertada. É por ter quatro carros andando a passo de cágado e dois a passo de cágado centenário. Esse tráfego pode provocar surpresas. E, se dois ou três dos favoritos largarem no fundo, não necessariamente conseguirão escalar o pelotão. Porque para ultrapassar em Mônaco, o cara da frente tem que deixar, bater ou dormir. Para quem duvida, basta lembrar o que Enrique Bernoldi (com uma Arrows) fez com David Coulthard em 2001, segurando o escocês por mais da metade da corrida.

A chuva é outra variável importante e há grande chance dela dar as caras e animar bastante a corrida. Nesse caso, não se deve esperar nada de Massa, Rubinho pode andar bem, Hamilton é favorito à vitória e as nanicas…

Das nanicas, ninguém deve esperar nada em hipótese alguma. Quando se fala em chuva em Mônaco, é comum lembrar do que Ayrton Senna fez com a Toleman em 1984. Seco ou molhado, Mônaco é uma pista que pede um carro extremamente equilibrado, com forte aderência mecânica. Aquela Toleman tinha um chassi sensacional e um piloto excepcional. Nada parecido com o cenário atual.

Nas CNTP, Red Bull e Ferrari (Alonso) devem brigar pela primeira fila. Mas como tudo é muito lento e os grandes pilotos podem sobressair, não me assustaria se visse Kubica, Hamilton e Schumacher na briga. Para a corrida, em qualquer condição, não descartaria Button e Rosberg.

Petites mises

Infelizmente, não estou no principado. Mas boatos correm soltos por lá, é possível ouví-los do Rio. Não vou comentar todos os pilotos que foram indicados como substitutos de Massa na Ferrari nem a especulação sobre sua ida para a Red Bull. Mas vou fazer pequenas apostas para a temporada 2011 e depois veremos o que acertei:

– As equipes pediram para a Bridgestone continuar na F1 e a Michelin quer voltar, mas é a Pirelli quem calçará os carros a partir do ano que vem.

– Hispania terminará o ano na marra e não correrá em 2011.

– Para a vaga aberta e em substituição ao time espanhol, Epsilon Euskadi e Art Grand Prix disputarão a próxima temporada.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “The Monaco F1 circuit :: Red Bull Rac…“, posted with vodpod

 

Anúncios

4 comentários em “La Côte d’Azur sur les pilules

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s