Sem marinar

Eu vou votar em Marina Silva para presidente da república. Ao menos no primeiro turno de qualquer eleição, me reservo o direito de fazer a escolha que mais se aproxima das coisas que acredito.

Mas uma campanha política é, também e necessariamente, uma campanha de publicidade, em que candidatos são travestidos de produtos. Assim, cabe às agências explorar seus atributos, destacando aspectos positivos e – dentro do possível – escondendo os negativos. É claro que isso é uma explicação muito básica, os publicitários de plantão não precisam me crucificar em praça pública.

Marina Silva tem, atrelados a si, trocentos conceitos positivos que poderiam e deveriam ser explorados de milhares de formas diferentes. Mas hoje encontrei o slogan e as imagens que serão usadas em sua campanha, como vocês podem ver neste post. E de cara me perguntei quem foi o estagiário que criou isso, quem foi o gênio que aprovou essa anomalia?

Primeiro, o slogan. Como assim, “Eu marinei”? Marina Silva, por acaso, é frango? Ou peixe? Ninguém foi capaz de pensar na piada pronta? Imaginem a capa do jornal, pendurada na banca: “Marina Silva é fritada em debate pela presidência.” E essa é só a piada óbvia…

Sobre a imagem, qual o objetivo da campanha ao atrelar – de forma tão incisiva – a imagem de Marina à de Obama? Porque, por mais que digam que é apenas uma referência, é impossível não virar a cara para algo absurdamente copiado. De quebra, nem a esperança que foi o tom da campanha do americano convence mais. Por dois motivos: esperança foi o mote de Lula (e todo mundo sabe o que aconteceu) e o próprio Obama já provou que a esperança depositada sobre ele foi exagerada (qualquer semelhança não é mera coincidência, acreditem).

Cacete, será que não se dão conta de que os eleitores de Marina, possíveis e prováveis, são eleitores de Marina justamente por ter um senso crítico fora da média, que não caem nesse tipo de esparrela.

A campanha, oficialmente, ainda não começou. Ou seja, ainda dá tempo de consertar isso. Espero que consigam.

Anúncios

15 comentários em “Sem marinar

  1. Oi, Gustavo.

    1 – Você escreveu: “Cacete, será que não se dão conta de que os eleitores de Marina, possíveis e prováveis, são eleitores de Marina justamente por ter um senso crítico fora da média, que não caem nesse tipo de esparrela.”

    Bem, a capanha NÃO deve ser para esses eleitores, pois assim como você, eles já se decidiram… E, se para votar na Marina os eleitores precisam ser “de senso crítico fora da média”, faltou um dado: fora da média para cima ou para baixo? porque ainda que não caiam nesta esparrela publicitária, são trouxas o suficiente para acreditar que alguma versão de socialismo (no caso, a verde) funcione… De qualquer maneira, a campanha precisa descer de nível mesmo pois, segundo a lógica do seu raciocínio, agora tem que buscar eleitores de outro nível. Sinceramente, como na sua lógica os eleitores dela estão limitados ao conjunto dos fora da média (e supondo que você queria dizer para cima) melhor a Marina ir fritar bolinhos, porque, analisando, tipo assim, as últimas pesquisas, pessoas de senso crítico, ou um mínimo de bom senso, são cartuchos queimados e mais estão em falta, então D. Franzina já chegou no seu teto.

    2 – Para falar de todas as qualidades que a Marina tem – e eu concordo que não são poucas, a começar pelo estudo -, será preciso contrastá-las com aqueles que ela deixou para trás – o ParTido, a candidata e o padrinho desta última. Se a oposição(?) se vendeu e/ou nunca teve culhões de enumerar em público os verdadeiros defeitos da situação, o que esperar de uma candidata que integra, ela também, o bloco (único) de facções de esquerda que disputará as eleições, para delírio do molusco, como “nunca antes na história deste país etc etc”?

    abração do amigo

    Curtir

    1. Giorgio, há uma razão clara para eu ter escrito isso. Não acredito que Marina será eleita presidente, pelo menos dessa vez. Não sei se algum dia. Encaro a candidatura da Marina à Presidência em alguns pontos:

      – Dar ao Partido Verde uma representatividade maior em termos federais
      – Popularizar uma discussão que ainda está muito longe da massa da população: questões ecológicas e desenvolvimento sustentável.

      E o fato de ter usado a expressão “fora da média” significa, simplesmente, que acredito que sua candidatura será naturalmente abraçada por pessoas que não tem visão comum sobre o mundo, por gente que pensa fora do quadrado. Isso não quer dizer que são pessoas melhores ou piores que os outros, mas que não refletem a massa.

      Por tudo isso, não creio que soluções popularescas para sua campanha sejam as melhores. Pois assim, ela estaria – tão somente – sendo mais do mesmo, com poucos detalhes de discurso diferentes.

      Será que consegui me fazer entender?

      Curtir

  2. Olá pessoal,

    Este slogan foi feito pelo Movimento Marina Silva, do qual faço parte, que é uma rede de voluntários realmente sem dinehiro nenhum.

    Convido todos que querem melhorar a comunicação e a divulgação da Marina a fazer parte do Movimento: http://www.movimentomarinasilva.org.br

    Espero que se juntem e ajudem a melhorar a campanha da Marina!!!!

    Curtir

  3. Oi pessoal,

    Muito bem-vinda a crítica de vocês ao que estamos fazendo. Realmente, somos amadores. Mas não somos publicitários … somos cidadãos organizando um site sem qualquer vínculo com Marina, como está bem explicadinho em nossa página.

    Penso que vocês podiam ter feito a crítica no site. E mais, poderiam também ter sugerido outros motes, outros lemas, enfim, terem manifestado sua criatividade de modo mais construtivo em nosso espaço, que é bastante aberto às diferenças.

    Afinal, como ali também está dito, há espaço para sugerir vários motes, vários slogans, e os que estão sendo usados são os que mais geraram ressonância nos participantes. O “Eu Marinei” surgiu espontaneamente e foi sendo dito pelas pessoas, apenas adotamos o mote. A imagem de Marina, a mesma coisa: foi publicada no site passou a ser tão amplamente utilizada (fora do site) que substituimos a logo anterior. Meses depois, a própria Marina acabou utilizando a imagem!

    Mas, se aparecer uma outra mais bacana, podemos utilizar também.

    As imperfeições são parte de um movimento que não tem dinheiro nenhum, ao contrário das demais campanhas.

    Então, aceitam o convite? Vamos usar o senso critico apurado para construirmos juntos outro jeito de fazer política??

    Abraços,
    Eduardo Rombauer – coordenador do site

    Curtir

    1. Aproveito um espaço para responder aos dois, Eduardo e Matheus. A coisa chegou a mim como a imagem oficial da campanha. Assim que publiquei o post, entrei no site do Partido Verde e passei a seguinte mensagem pelo canal ‘fale conosco’: “Espero que vocês entendam que o objetivo é colaborar. Escrevi isso aqui: https://gustavosirelli.wordpress.com/2010/03/16/sem-marinar/

      Se não foram exatamente essas palavras, foi algo muito próximo. Ou seja, nunca foi o objetivo simplesmente meter o pau. Pelo contrário, se não fosse eleitor de Marina e não me preocupasse com a coisa, não teria tomado conhecimento ou, simplesmente, teria feito chacota.

      Ao entrar no site de vocês, não vi um ponto de contato, um ‘fale conosco’ da vida.

      O fato de não ter dinheiro, de ser um grupo formado apenas por voluntários, não é justificativa para qualquer coisa, boa ou ruim. Até porque, mesmo que em um grupo grande que não tenha profissionais de comunicação, há os relacionamentos que – se bem desenvolvidos – podem aglutinar gente com qualificação e experiência para uma boa orientação.

      Pois eu topo, me disponho a colaborar.

      Curtir

      1. Oi Gustavo!

        Você está coberto de razão. E acho que te entendi bem, se seu post tivesse qualquer tom de chacota a minha resposta seria totalmente diferente.

        Estamos tecendo relacionamentos entre pessoas que nunca antes se viram, e isto é uma baita aprendizagem. Bom, a sua crítica coincidiu com uma série de outras, de repente, nos últimos 10 dias. O alvo principal foi o “Marineiro”.

        Estamos trabalhando para melhorar o visual, identidade e navegabilidade do site. Certamente a sua crítica teve efeito.

        Muitos nos encontram através do perfil do criador da rede. Mas, realmente, vale a pena um e-mail de contato. Vou colocar lá!

        Você conhece designer que possam nos ajudar? Somente temos uma voluntária, muito sobrecarregada no trabalho.

        E no que mais você percebe que tem boa capacidade para colaborar?

        E agradeço pela iniciativa critica e construtiva. Precisamos mais disso.
        Abraços!

        Eduardo

        Curtir

        1. Sou profissional de comunicação, então estou disposto a trabalhar nessa área. Mas, para me envolver, precisaríamos conversar.

          Antes de mais nada, é preciso ter em mente qual o objetivo principal da campanha da Marina, porque todo mundo sabe (ela certamente também) que ela não será eleita.

          Então, se a campanha dela tiver um objetivo útil, estou dentro, de corpo e alma. Estou no Rio, e vocês?

          Curtir

          1. Gustavo,
            Concordo com vc e os meus filhos também, pelo menos com Carioca essa coisa de marinar não cola.
            Agora mesmo sem os recentes resultados da Unidos da Tijuca, campeã do Carnaval, assim tão pequenininha e o Botafogo, na Taça Guanabara, se juntando depois de um período de muitas derrotas, que poderiam me iludir num falso oba-oba, te garanto que não dá para dizer o que vai acontecer nem com a Marina e nem com ninguém, eleição é que nem futebol e carnaval.Não dá para ter clima de já ganhou ou já perdeu e vc como profissional de comunicação sabe disso.
            Hoje segui meu coração e fui na reunião do Movimento Marina Silva aqui no Rio. Que pena que vc não foi.
            Um grupo de umas trinta pessoas bem diversificado, adolescentes, empresários, professores, pesquisadores, designers. Me surpreendi. Para uma sexta-feira com programações variadas e clima de verão e lua no céu, juntar tantas pessoas num convite feito de sopetão e sem promessas de dentadura e à noite!
            Foi emocionante. Muitas idéias e disposição e uma firmeza coletiva de que o movimento é para uma campanha, suprapartidária e também tem um carater pedagógico: divulgar valores de uma vida com equanimidade, sustentabilidade, probidade, um arregaçar de mangas de cidadãos, vacinados dos discursos mainstream e ávidos por políticas públicas com prazo de validade maior do que a chamada do telejornal.
            Me pergunto porque que um cara que se dá ao trabalho de desopilar o fígado comentando e reivindicando coisas para a cidade, que se propõe a ajudar dizendo que está dentro, mas … Engraçado que quando li o seu blog não achei que vc era pé frio? Para com isso rapaz, até meu Botafogo ganhou do seu Flamengo. Agora te digo papo de pé frio é pior que esse de marinar, larga disso, meu, se deixa emocionar! Entra logo em algum grupo em vez de ficar encontrando Secretário fantasma:http://www.movimentomarinasilva.org.br/

            Curtir

            1. Por partes:

              – Exatamente por ser profissional de comunicação é que sei que eleição não é como futebol e carnaval.

              – Não sabia que haveria a reunião, não estou inscrito no grupo e quem tem meu e-mail não me avisou (não tinha nenhuma obrigação, é bom que se diga). Bom saber que havia bastante gente, que o grupo era diverso e que as pessoas estão dispostas a ajudar.

              – Realmente disse que estava dentro, mas fiz algumas colocações por e-mail (sobre a aliança de Gabeira com César Maia e a participação do Zequinha Sarney na campanha) e fiquei sem qualquer resposta.

              – A campanha de Marina, neste ano, só pode ser pedagógica. Se for assim, estarei à disposição para ajudar em qualquer coisa na área de comunicação. Agora, se forem desperdiçar energias com o objetivo de ganhar votos para se eleger, não vou me dar ao trabalho.

              – Não entendi o ‘pé frio’…

              – Obrigado pelo ‘rapaz’

              – Não entendi a relação disso tudo com o encontro/desencontro com o secretário. De qualquer maneira, não perdi nem perderei qualquer oportunidade de interagir com qualquer instância do poder público, pois acredito que é uma boa maneira de levar minhas dúvidas e reclamações e entender melhor como funciona toda essa bagunça.

              Curtir

              1. Ah, Gustavo, que bom que vc me respondeu e passou tanto tempo e só vi hoje sei lá porque desígnios.
                Sem polêmicas, apenas quis brincar e ponderar algumas coisas com vc .
                Também não sou o PV e não sei te responder o porque do Cesar Maia ou porque o Zequinha Sarney é do PV há tanto tempo. Apenas como admiro o q vc escreve, julguei importante vc participar

                Curtir

              2. Ah, Gustavo, que bom que vc me respondeu e passou tanto tempo e só vi hoje sei lá porque desígnios.
                Sem polêmicas, apenas quis brincar e ponderar algumas coisas com vc .
                Também não sou o PV e não sei te responder o porque do Cesar Maia ou porque o Zequinha Sarney é do PV há tanto tempo. Apenas como admiro o q vc escreve, julguei importante vc participar. O movimento é amador, não é profissional. Coisas lindas e paz

                Curtir

  4. Concordo com a crítica que você fez ao mau gosto e à baixa capacidade criativa dos publicitários amadores que idealizaram as peças que vão dar apoio à campanha de Marina Silva. Essa cópia descarada causa constrangimento a todos aqueles que pensam a comunicação no Brasil, sobretudo aquela comprometida com as propostas políticas. Essa transferência não pode e nem deve ser feita desprovida do filtro sociocultural. Que esses publicitários amadores façam valer aquilo que em si constitui a danamiza a cultura brasileira, que é a antropofagia, que legitima a inspiração naquilo que vem de fora, como fator constituinte daquilo que circula aqui dentro, porém, com algum toque de originalidade. Pode se inspirar, mas, copiar, puro e simplesmente, é humilhante, pois demasiadamente subserviente! É como se os publicitários brasileiros não tivessem capacidade de idealizar uma campanha política para retratar sua própria singularidade cultural e ideológica. Ou será que eles não sabem que os brasileiros têm sua especificidade histórica? Ainda há tempo para mudar toda essa bobagem!

    Curtir

  5. Muito bom o seu texto.
    marinar é deixar em molho para dar gosto, ralçar o sabor. nesse contexto, até que é bem pertinente.
    também voto nela, mas que ela está “bem sem gosto” está!!!

    Curtir

  6. Muito bem falado, Octavio! Além do mais, o Sirelli está detonando a campanha, não defendendo! E o que nós publicitários fazemos melhor é enxergar o pior no trabalho alheio… rs

    Sobre o bordão, já podemos até imaginar a charge do Chico Caruso…

    Curtir

  7. Não há crucificação em praça pública. Publicitários vão te criticar e mostrar um power point de 30 telas, provando que, no fundo, vc estava certo…hahahaha

    Curtir

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s