Verbetes e Expressões (9)

Verbetes e Expressões (9)
Helena
Or.: Grécia; Tocha, Luz, Luminosa.
•••
Sábado, 17 de outubro de 2009, 3h47. Eu estava sentado na cabeceira da Mari quando alguém chamou. “Gustavo, levanta e vem ver Helena nascer!”.
Quando descobrimos que Mari estava grávida, a decisão foi continuar com sua ginecologista até que um dia ela falou uma coisa que nos deixou com uma pulga do tamanho de um elefante atrás da orelha: “cuida de estar grávida que o parto é comigo”. Como assim?
Sinceramente, eu não estava preparado para estar grávido, não tinha menor noção de quanta coisa envolvia uma gravidez, a preparação para o parto e o parto propriamente dito. Mas Mari estava. E começou a pesquisar e descobrir tudo o que podia e mais um pouco. E junto com todas essas descobertas, fomos fazendo escolhas e nos adaptando ao que seria possível realizar.
A primeira decisão que tomamos seria fazer um parto natural. E dentro das possibilidades que encontramos, decidimos fazer um parto domiciliar. Mas junto com essa decisão, levamos o primeiro choque. O plano de saúde é, na verdade, um plano hospitalar. Todos eles. E não cobre nada que não aconteça dentro de um hospital. Chegamos a fazer uma primeira consulta com uma enfermeira obstetra, adoramos ela, combinamos tudo. Mas na hora de fazer o levantamento de como seria nossa relação com o plano, descobrimos que para ser reembolsados, não receberíamos nem um terço de todo o custo e, mesmo assim, depois de muita briga. Se recebêssemos…
Sempre acreditei que nada acontece por acaso, mas tem horas que não nos damos conta de coisas simples.
Mariana continuou procurando e conseguiu encontrar uma médica credenciada que, em tese, é naturopata. Com todas as limitações impostas pelo plano e pelo ambiente hospitalar, Mari chegou em casa da primeira consulta relativamente otimista, quase satisfeita. Em sua segunda consulta, fui junto e teve um negócio que me chegou mal: na hora de prescrever um remédio para a azia da Mari, ela perguntou para um pêndulo qual seria a dose. E aí, podem até tentar me convencer, mas há coisas nas quais ninguém vai me fazer acreditar. Falei isso pra dona da minha vida, mas ela não ligou muito. Me cheirou mal. Como ela estava confiante, vida que segue.
Até que um dia fomos conhecer a pediatra da equipe. Nessa altura, eu não tinha lido sequer a metade do que deveria àquela altura, mas já sabia algumas coisas. Além disso, sempre tive a mania de acreditar piamente no santo que bate ou não bate.  A doutora disse que pediatra em sala de parto era pra não fazer nada, a não ser que algo fosse preciso. O problema é que o nada dela era tudo aquilo que queríamos evitar que nossa menina sofresse. Mas do que não gostei mesmo foi que, sempre que contestávamos alguma coisa, ela simplesmente dizia algo como “tudo bem, não é tão necessário mesmo”. Pombas, se não é necessário, por que fazer? E se faz, se acredita, por que não argumentar a respeito, nos explicar porque as coisas são assim? Saímos do consultório seguros de que a moça jamais tocaria em Helena.
A chegada em casa foi confusa. Conversamos, discutimos, brigamos, entramos em parafuso. Estávamos na 34ª semana de 40 previstas. E não tínhamos médico, não tínhamos nada, como seria a chegada de Helena?
Chegamos a procurar alternativas fora do Rio, mas em nada havia a segurança que queríamos. Mari foi dormir quase duas da manhã e eu, ensandecido e sem que ela soubesse, virei a noite na internet atrás de contatos possíveis e impossíveis. Passei e-mails para pediatras, obstetras, enfermeiras, clínicas, do Rio e de fora, em busca de alguma indicação. Entre esses, encontrei um blog de um médico em que havia um vídeo de um parto de cócoras. Contato? Só pelo formulário do próprio blog. Nem telefone, nem e-mail. Isso já era quase manhã de uma quinta-feira.
Essa quinta foi surpreendente para mim, recebi respostas que não imaginava com indicações e disposição para ajudar de gente que nunca me viu, que nunca ouviu falar de mim. Quando cheguei em casa, falei com a Mari, mostrei as mensagens e voltamos a ter alguma esperança de que as coisas dariam certo. Até que na sexta de manhã, o Dr. Antônio Carlos – o cara do blog – me ligou. “Gustavo, vi seu e-mail, que as coisas estão confusas, vamos conversar?”
Amanhecemos no consultório na segunda e depois de mais de duas horas de consulta, saímos de lá com a certeza de que ele era o cara, de que – mesmo que na hora do parto ele dissesse ser necessária uma cesariana – poderíamos confiar nele. E na pediatra da equipe, que é a mulher dele. Sempre deixaram claro que fariam tudo para que as coisas acontecessem da maneira mais natural possível, mas que não abriam mão da tecnologia. E sobre todos aqueles procedimentos de rotina da outra pediatra, Kátia nos explicou cada um deles e quando cada um é preciso. E as últimas semanas foram excelentes.
Quinta-feira, 15 de outubro. Antes de dormir, passei quase uma hora passando creme, fazendo massagem e carinho na barriga. Estava enorme, durinha e Mari reclamou que estava um pouco dolorida. Dormimos cedo, pouco depois das dez. Entre meia noite e uma da manhã, começaram as dores. Ela não me acordou, mas contou que sempre que gemia de dor ao meu lado, completamente sonado eu colocava a mão na barriga, perguntava se estava tudo bem e, com qualquer resposta (eu estava dormindo), virava pro lado e continuava roncando.
Acordei às 6h30 e vi Mariana sentada na beira da cama. Passei uma mensagem para o trabalho, avisando que tinha começado e que daria notícias. Começamos a marcar o tempo das contrações e o espaço entre elas. Chegamos a ficar animados, intervalo variando entre cinco e sete minutos, duração variando entre 35 e 50 segundos. Fomos assim até às nove, quando ligamos para o Antônio Carlos e mandou ir para o consultório. Ele fez o toque. Sem dilatação, colo do útero posterior e fechado. Mas quando ele viu uma contração daquelas, confirmou que era o dia. Fomos caminhar na praia e o exercício deu uma diminuída no ritmo das coisas. Voltamos pra casa e continuamos controlando.
Tínhamos na cabeça que a média de trabalho de parto de um primeiro filho variava entre oito e 12 horas, mas podia chegar a 18. No início da noite, o intervalo entre as contrações variava entre quatro e cinco minutos, com algumas chegando a durar mais de um minuto. Chegamos à Perinatal da Barra pouco depois das 11 e Mari foi direto para o centro de imagens fazer alguns exames. Antônio Carlos e Kátia chegaram pouco depois. Helena estava ótima, mas o toque mostrou dilatação de 1cm e colo ainda posterior. Depois de 24 horas. Fomos para o quarto, ele disse que faria novo toque em duas horas.
Nesse meio tempo, chegou a Fadynha, a doula, que começou a fazer alguns exercícios, massagem e levou Mari para o chuveiro quente, para relaxar, coisas que poderiam ajudar o corpo da Mari a funcionar bem.
Mari estava exausta, claro, e Antonio Carlos nos levou para a sala de pré-parto. A idéia era dar a ela um soro glicosado para lhe dar energia. Enquanto tudo era preparado, novo toque e só 2cm. Ao ouvir o coraçãozinho, 173 batimentos. Ainda não era questão de vida e morte, mas era óbvio que não valia mais a pena insistir. Helena poderia entrar em sofrimento fetal e Mari já estava sofrendo há muito tempo, além de estar muito debilitada.
Mas dentro do possível, foi tudo feito da maneira mais delicada possível. Gravamos um CD para tocar durante o parto. De Paul Simon a Keb Mo, de MPB4 a Nando Reis, de fado a música francesa. O aparelho de som foi para a sala de cirurgia, que estava a meia luz e com o ar condicionado desligado. E 26 horas depois de começar o trabalho de parto, voltamos ao início deste texto gigantesco.
Sábado, 17 de outubro de 2009, 3h47. Eu estava sentado na cabeceira da Mari quando alguém chamou. “Gustavo, levanta e vem ver Helena nascer!”. Ela estava com o bracinho acima da cabeça, o que impedia que ela forçasse o colo do útero para nascer. Se Mariana ficasse uma semana tendo contrações, nada mudaria.
Elvis cantava My Way quando ela chorou pela primeira vez. Ajudei a limpá-la, cortei o cordão umbilical e a levei para o colo da Mari, já ao som de Imagine. A ordem das músicas foi pura coincidência, quando gravei não organizei nada. Mas como acredito que nada é por acaso…
Depois de mais de meia hora de colo de mãe, fomos para o berçário para medi-la  e outras coisinhas. 49cm, 3,865kg, cabelo preto como o pai, queixo pra frente como a mãe. Antes das seis já estava no quarto conosco e pelas oito mamou pela primeira vez. Pegou o peito de primeira.
Tudo o que aconteceu, da maneira que aconteceu, não deixa dúvidas. Não havia escolha melhor pra fazer do que o Dr. Antônio Carlos de Oliveira e sua equipe (a pediatra Kátia, o anestesista Délcio, a assistente Fernanda). Parabéns e obrigado é o mínimo que se pode dizer.
E de toda a história, a certeza que minha vida começou – de novo – às 3h47 do último sábado. A essa altura, já estamos em casa há dois dias, já passei a primeira noite em claro com minha menina no colo, o primeiro banho, as primeiras trocas (a primeira, muito atrapalhada e depois de muito suor) e a realização do mais lindo sonho que eu poderia ter um dia.

Helena

Close0003

Or.: Grécia; Tocha, Luz, Luminosa.

•••

Sábado, 17 de outubro de 2009, 3h47. Eu estava sentado na cabeceira da Mari quando alguém chamou. “Gustavo, levanta e vem ver Helena nascer!”.

Quando descobrimos que Mari estava grávida, a decisão foi continuar com sua ginecologista até que um dia ela falou uma coisa que nos deixou com uma pulga do tamanho de um elefante atrás da orelha: “cuida de estar grávida que o parto é comigo”. Como assim?

Sinceramente, eu não estava preparado para estar grávido, não tinha menor noção de quanta coisa envolvia uma gravidez, a preparação para o parto e o parto propriamente dito. Mas Mari estava. E começou a pesquisar e descobrir tudo o que podia e mais um pouco. E junto com todas essas descobertas, fomos fazendo escolhas e nos adaptando ao que seria possível realizar.

A primeira decisão que tomamos seria fazer um parto natural. E dentro das possibilidades que encontramos, decidimos fazer um parto domiciliar. Mas junto com essa decisão, levamos o primeiro choque. O plano de saúde é, na verdade, um plano hospitalar. Todos eles. E não cobre nada que não aconteça dentro de um hospital. Chegamos a fazer uma primeira consulta com uma enfermeira obstetra, adoramos ela, combinamos tudo. Mas na hora de fazer o levantamento de como seria nossa relação com o plano, descobrimos que para ser reembolsados, não receberíamos nem um terço de todo o custo e, mesmo assim, depois de muita briga. Se recebêssemos…

Sempre acreditei que nada acontece por acaso, mas tem horas que não nos damos conta de coisas simples.

Mariana continuou procurando e conseguiu encontrar uma médica credenciada que, em tese, é naturopata. Com todas as limitações impostas pelo plano e pelo ambiente hospitalar, Mari chegou em casa da primeira consulta relativamente otimista, quase satisfeita. Em sua segunda consulta, fui junto e teve um negócio que me deixou encafifado: na hora de prescrever um remédio para a azia da Mari, ela perguntou para um pêndulo qual seria a dose. E aí, podem até tentar me convencer, mas há coisas nas quais ninguém vai me fazer acreditar. Falei isso pra dona da minha vida, mas ela não ligou muito. Me cheirou mal. Como ela estava confiante, vida que segue.

Até que um dia fomos conhecer a pediatra da equipe. Nessa altura, eu não tinha lido sequer a metade do que deveria àquela altura, mas já sabia algumas coisas. Além disso, sempre tive a mania de acreditar piamente no santo que bate ou não bate.  A doutora disse que pediatra em sala de parto era pra não fazer nada, a não ser que algo fosse preciso. O problema é que o nada dela era tudo aquilo que queríamos evitar que nossa menina sofresse. Mas do que não gostei mesmo foi que, sempre que contestávamos alguma coisa, ela simplesmente dizia algo como “tudo bem, não é tão necessário mesmo”. Pombas, se não é necessário, por que fazer? E se faz, se acredita, por que não argumentar a respeito, nos explicar porque as coisas são assim? Saímos do consultório seguros de que a moça jamais tocaria em Helena.

A chegada em casa foi confusa. Conversamos, discutimos, brigamos, entramos em parafuso. Estávamos na 34ª semana de 40 previstas. E não tínhamos médico, não tínhamos nada, como seria a chegada de Helena?

Chegamos a procurar alternativas fora do Rio, mas em nada havia a segurança que queríamos. Mari foi dormir quase duas da manhã e eu, ensandecido e sem que ela soubesse, virei a noite na internet atrás de contatos possíveis e impossíveis. Passei e-mails para pediatras, obstetras, enfermeiras, clínicas, do Rio e de fora, em busca de alguma indicação. Entre esses, encontrei um blog de um médico em que havia um vídeo de um parto de cócoras. Contato? Só pelo formulário do próprio blog. Nem telefone, nem e-mail. Isso já era quase manhã de uma quinta-feira.

Essa quinta foi surpreendente para mim, recebi respostas que não imaginava com indicações e disposição para ajudar de gente que nunca me viu, que nunca ouviu falar de mim. Quando cheguei em casa, falei com a Mari, mostrei as mensagens e voltamos a ter alguma esperança de que as coisas dariam certo. Até que na sexta de manhã, o Dr. Antônio Carlos – o cara do blog – me ligou. “Gustavo, vi seu e-mail, que as coisas estão confusas, vamos conversar?”

Amanhecemos no consultório na segunda e depois de mais de duas horas de consulta, saímos de lá com a certeza de que ele era o cara, de que – mesmo que na hora do parto ele dissesse ser necessária uma cesariana – poderíamos confiar nele. E na pediatra da equipe, que é a mulher dele. Sempre deixaram claro que fariam tudo para que as coisas acontecessem da maneira mais natural possível, mas que não abriam mão da tecnologia. E sobre todos aqueles procedimentos de rotina da outra pediatra, Kátia nos explicou cada um deles e quando cada um é preciso. E as últimas semanas foram excelentes.

Quinta-feira, 15 de outubro. Antes de dormir, passei quase uma hora passando creme, fazendo massagem e carinho na barriga. Estava enorme, durinha e Mari reclamou que estava um pouco dolorida. Dormimos cedo, pouco depois das dez. Entre meia noite e uma da manhã, começaram as dores. Ela não me acordou, mas contou que sempre que gemia de dor ao meu lado, completamente sonado eu colocava a mão na barriga, perguntava se estava tudo bem e, com qualquer resposta (eu estava dormindo), virava pro lado e continuava roncando.

Acordei às 6h30 e vi Mariana sentada na beira da cama. Passei uma mensagem para o trabalho, avisando que tinha começado e que daria notícias. Começamos a marcar o tempo das contrações e o espaço entre elas. Chegamos a ficar animados, intervalo variando entre cinco e sete minutos, duração variando entre 35 e 50 segundos. Fomos assim até às nove, quando ligamos para o Antônio Carlos e mandou ir para o consultório. Ele fez o toque. Sem dilatação, colo do útero posterior e fechado. Mas quando ele viu uma contração daquelas, confirmou que era o dia. Fomos caminhar na praia e o exercício deu uma diminuída no ritmo das coisas. Voltamos pra casa e continuamos controlando.

Tínhamos na cabeça que a média de trabalho de parto de um primeiro filho variava entre oito e 12 horas, mas podia chegar a 18. No início da noite, o intervalo entre as contrações variava entre quatro e cinco minutos, com algumas chegando a durar mais de um minuto. Chegamos à Perinatal da Barra pouco depois das 11 e Mari foi direto para o centro de imagens fazer alguns exames. Antônio Carlos e Kátia chegaram pouco depois. Helena estava ótima, mas o toque mostrou dilatação de 1cm e colo ainda posterior. Depois de 24 horas. Fomos para o quarto, ele disse que faria novo toque em duas horas.

Nesse meio tempo, chegou a Fadynha, a doula, que começou a fazer alguns exercícios, massagem e levou Mari para o chuveiro quente, para relaxar, coisas que poderiam ajudar o corpo da Mari a funcionar bem.

Apesar de exausta, Mari nunca pensou em desistir. Antônio Carlos nos levou para a sala de pré-parto com a idéia de dar a ela um soro glicosado para lhe dar energia. Enquanto tudo era preparado, novo toque e só 2cm. Ao ouvir o coraçãozinho, 173 batimentos. Ainda não era questão de vida e morte, mas era óbvio que não valia mais a pena insistir. Helena poderia entrar em sofrimento fetal e Mari já estava sofrendo há muito tempo, além de estar muito debilitada.

Mas dentro do possível, foi tudo feito da maneira mais delicada possível. Gravamos um CD para tocar durante o parto. De Paul Simon a Keb Mo, de MPB4 a Nando Reis, de fado a música francesa. O aparelho de som foi para a sala de cirurgia, que estava a meia luz e com o ar condicionado desligado. E 26 horas depois de começar o trabalho de parto, voltamos ao início deste texto gigantesco.

Sábado, 17 de outubro de 2009, 3h47. Eu estava sentado na cabeceira da Mari quando alguém chamou. “Gustavo, levanta e vem ver Helena nascer!”. Ela estava com o bracinho acima da cabeça, o que impedia que ela forçasse o colo do útero para nascer. Se Mariana ficasse uma semana tendo contrações, nada mudaria.

Elvis cantava My Way quando ela chorou pela primeira vez. Ajudei a limpá-la, cortei o cordão umbilical e a levei para o colo da Mari, já ao som de Imagine. A ordem das músicas foi pura coincidência, quando gravei não organizei nada. Mas como acredito que nada é por acaso…

Depois de mais de meia hora de colo de mãe, fomos para o berçário para medi-la  e outras coisinhas. 49cm, 3,865kg, cabelo preto como o pai, queixo pra frente como a mãe. Antes das seis já estava no quarto conosco e pelas oito mamou pela primeira vez. Pegou o peito de primeira.

Tudo o que aconteceu, da maneira que aconteceu, não deixa dúvidas. Não havia escolha melhor pra fazer do que o Dr. Antônio Carlos de Oliveira e sua equipe (a pediatra Kátia, o anestesista Délcio, a assistente Fernanda). Parabéns e obrigado é o mínimo que se pode dizer.

E de toda a história, a certeza que minha vida começou – de novo – às 3h47 do último sábado. A essa altura, já estamos em casa há dois dias, já passei a primeira noite em claro com minha menina no colo, o primeiro banho, as primeiras trocas (a primeira, muito atrapalhada e depois de muito suor) e a realização do mais lindo sonho que eu poderia ter um dia.

Anúncios

17 comentários em “Verbetes e Expressões (9)

  1. Ei Gustavo! Acabo de voltar das férias e fui te procurar. Depois do seu relato só posso dizer q isso é só o começo … de uma grande, árdua e, certamente, a mais feliz das jornadas ! Filho é presente de Deus !!!! Acho q foi a melhor maneira q Ele encontrou pra q nós pudéssemos ter uma pequena noção do real significado da palavra amor. Não dá pra falar muita coisa mais, mas nem é necessário pois sei q vc e sua esposa já devem estar sentindo o real significado disso tudo. Então, só me resta desejar muuuuuita saúde e sabedoria a vocês na criação da baixinha. E muuuitass felicidades (se vc pensa q não é possível ser mais feliz do q vcs estão agora, preparem-se, pois muitos momentos maravilhosos ainda estão por vir). Deus abençoe vcs!

    Curtir

  2. Grande Gustavo parabéns, mano só agora pude ler seu relato do nascimento de mais uma vida.que Deus te ilumine e a toda a sua Família . Bj grande no Seu coração

    Curtir

  3. É com grande felicidade que termino de ler o seu blog as 3:17 do dia 24!
    Estou indo dormir com a certeza que você está muuuito feliz e realizado! Parabéns Gustavo!!! Você merece a chegada da Helena e de todo o amor e felicidade que ela vai trazer para você e a Mariana.
    beijo grande, Suzana

    Curtir

  4. Gustavo,

    que lindas as suas palavras!! Tenho certeza que Helena chegou para iluminar ainda mais sua vida e a da Mariana. Logo, logo vou marcar de fazer uma visita e aproveitar para apresentar a Rafaela.

    Manda um super beijo para suas meninas!

    Muita paz e ainda mais sabedoria para que vcs possam educar a Helena!

    Parabens e que Deus os abençoe!

    Beijos,
    Titi

    Curtir

  5. Gustavo,
    Parabéns por essa vida preciosa que Deus entregou sob os cuidados de vcs!
    Que Helena seja muito feliz e tenha muita saúde!!! Adorei o texto, é bom que me ajuda a pesquisar mais pra quando chegar minha hora tbm!
    Um abraço pra essa família linda!
    Aline Terra.

    Curtir

  6. Gustavo,
    Que linda forma de expressar tanto amor. Helena não poderia estar em melhores mãos e corações. Beijo enorme em vocês.
    Elisa

    Curtir

  7. Gus querido amigo,

    Nos fazemos nossos passos, mas a vida de uma forma ou de outra faz cruzar nossos caminhos. Fiquei muito feliz em ler seu relato, e mais uma vez minhas lágrimas escorriam de emoção, você sempre foi uma pessoa diferente, que gosta do natural da vida. Fiquei me perguntando aonde nossas vidas se cruzavam agora, e ao ler que vocês foram ter a Helena na Perinatal da Barra, percebi o encontro… foi a Osborne quem construiu. E com todo o amor a profissão que meu irmão teve nesse empreendimento, você e Mari tiveram pela essa bonequinha que nasceu.
    Muitas felicidades para vocês. Beijos

    Curtir

  8. Querido amigo GUUUUUUUUUU. Emocionante o carinhoso relato que fazes do nascimento de Helena.

    Parabéns!!! Aos orgulhosos Papai e Mamãeriana. É queridos, agora se inicia a missão p. a qual se prepararam por 9 mêses, criar a Florzinha que agora vive conosco. É difícil ,pois não trazem bula ou manual de instrução ,mas entre acertos e erros com muito carinho ,amor, união e paciência sei que serão bem sucedidos , já tivemos um pequeno exemplo pela preparação de sua chegada.

    Desejo TODA FELICIDADE do Mundo a vcs.

    Bjos carinhosos aos tres.

    Curtir

  9. Grande Gustavo.
    Acompanhei um pouco desta dia a dia e, mesmo sem conhecer sua esposa, posso te dizer que a Helena nasceu em um ambiente perfeito para que se torne uma mulher de bem, saudável, educada, inteligente e….rubro-negra, como consequência de tudo.

    Não vou nem tentar combinar o chopp pq imagino o tamanho da demanda, mas saiba que nossas ranzinzices diárias fazem falta.

    Parabéns novamente, papai.

    Abração,

    Curtir

  10. Que lindo, amigo! Vc sempre me faz chorar…de alegria, de emoção etcetcetc

    Fico feliz por vc e sua família, realmente é um momento mais que especial. Meu amado marido não teve a sua coragem, ficou desesperado do lado de fora da sala de cirurgia após o médico também me ralatar que eu não tinha passagem para o parto normal e que estava perdendo muito líquido. Como vc mesmo diz: vida que segue!

    Agora Giovanna ganhou mais uma amiga…Helena chegou para que a nossa amizade continue em frente com muito mais bagunça e alegria!!!

    Jájá agendo uma visita para eu e a Pequena Giggia comemorarmos a chegada de sua Pequena Helena pulando em seu sofá…hahahaha

    Diz pra Mari que é brincadeirinha, prometo me comportar. Só quero aprender a trocar essa fralda que não é descartável…deve ser uma MEGA desafio RS

    Bjús, amo vcs

    Curtir

  11. Gustavo, depois desta história, tenho certeza do Paizão que você vai ser.

    Bem vindo ao Time de Paizões!!!!

    Abraço grande pra você e Mari

    Beijo Grande pra Helena.

    Feliz a criança que já começa com tanto amor e carinho!!!

    Humberto

    Curtir

  12. Amigo, fiquei emocionada com seu relato. Muita felicidade, saúde, paz e harmonia nessa nova fase da sua vida que começa agora. Milhões de beijos para a Helena e para a Mari!

    Curtir

  13. Olá.

    São realmente tantas emoções, como diria o Rei… Todos aqueles clichês acontecem: é momentos da vida que a gente nunca esquece, o mais espetacular, passa um filme na frente da gente, chora-se de soluçar etc etc…

    Helena, bem-vinda. Papai e mamãe vão cercá-la de todo o amor, te preparar para a vida do lado de cá, do lado de fora, do nosso lado. Mamãe deu você à luz, que Deus ilumine a sua vida e faça de vocês uma família muito unida e feliz. Só isso importa.

    E o mundo que se prepare para Helena!

    Com um abraço afetuoso do amigo,

    Giorgio

    Curtir

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s