Dante e as cataratas do Iguaçu

0001Eram, mais ou menos, 20h30 de segunda-feira e, como boa parte das famílias brasileiras, eu e Mariana jantávamos no quarto assistindo ao Jornal Nacional. De repente, Adriça e Joana correram para a sala e começaram a latir perto da porta. A princípio, nada de estranho. Sempre que as luzes de casa estão apagadas e alguém passa pelo corredor, elas fazem o mesmo. Chamamos as duas e depois de dois ou três gritos elas voltaram.

De repente, a Mariana pergunta se eu não estava sentindo cheiro de queimado. Como eu tinha preparado a comida, fui até a cozinha para dar uma olhada (quem sabe não esqueci o forno acesso?). Tudo normal. Dei uma volta pela casa e, mais uma vez, tudo normal. Quando voltei para o quarto ela reclamou de novo do cheiro de queimado.

– Não parece cheiro de vela derretendo?
– Sei lá. Aqui em casa não tem nada errado. E nem vela temos acesa.

Quando terminamos de jantar, 20h55, deixei ela no quarto e fui para o escritório me divertir no computador e assistir ao Linha de Passe, a mesa redonda da ESPN Brasil.

– Me chama na hora que Pantanal começar…

Aquele cheirinho de queimado continuava, mas fraco, nada demais. Mas, de repente, o síndico e o zelador do prédio passaram pelo corredor de serviço:

– Vamos fechar aqui rapidinho para colocar a escada. Vamos entrar no apartamento de cima. Parece que tem fogo no quarto e não tem ninguém em casa.
– Precisa de alguma ajuda? – ainda perguntei.
– Não, já estamos com os extintores e só tem uma escada mesmo

Seguiram-se os barulhos de dois extintores e os dois desistindo, dizendo que não dava pra entrar, mas pra gente ficar calmo porque já tinham chamado os bombeiros.

Foi nessa hora que falei pra Mariana vestir alguma coisa, tirar tudo das tomadas, pegar as cachorras e dar no pé. E daí pra frente, foi o seguinte: o fogo lambeu o apartamento em cima do meu, os bombeiros demoraram meia hora pra chegar (mera impressão, pois não marquei o tempo) e, quando entraram, deram aquele banho para apagar o fogo. Acho até que, do ponto de vista dos bombeiros, não foi um dos trabalhos mais complicados.

Quando finalmente fomos liberados e voltamos pra casa, a Mariana entrou no apartamento e eu fui conversar com o síndico sobre o que tinha acontecido, como estava a moradora (que chegou no meio da confusão), se precisava de ajuda com alguma coisa, como levar ao médico etc.

– Gustavo, corre aqui!!!

Quando entrei em casa e vi o que estava acontecendo só uma coisa passou pela minha cabeça: fudeu!!!! (que os amigos desculpem, mas há horas e horas para um palavrão. Nessas circunstâncias, além de bem aplicado, poderia pensar em pelo menos mais uma dezena para substituí-lo).

A água escorreu pelo teto e pela parede, por cima do armário. De MDF, a estrutura virou esponja e estufou. O que tinha dentro, ficou molhado e com cheiro de fuligem.

A água escorreu pelo teto e pela parede, por cima do armário. De MDF, a estrutura virou esponja e estufou. O que tinha dentro, ficou molhado e com cheiro de fuligem.

Ondas…

Ondas…

A água que apagou o fogo no andar de cima escorria pela laje e pelas paredes do meu quarto, encharcando o armário por fora e por dentro, pingando em cima da TV e DVD, e alagando o quarto. Meio que no desespero, levamos os aparelhos para a sala e jogamos o que tinha nos armários, tanto quanto foi possível, em cima da cama. Ao mesmo tempo, mas em menor quantidade, também começou a pingar no escritório. E tratamos de salvar os computadores enquanto sofria pela possibilidade de perder os livros…

Do outro lado do quarto, mais água pingando e escorrendo em cima de armário, TV e DVD. Até a parede estufou.

Do outro lado do quarto, mais água pingando e escorrendo em cima de armário, TV e DVD. Até a parede estufou.

Atrás do módulo da TV, o chão encharcado e sujo de fuligem, rodapés e fiação estragados.

Atrás do módulo da TV, o chão encharcado e sujo de fuligem, rodapés e fiação estragados.

Parênteses: há um certo lado cômico nessas situações. É impressionante como gente que nunca olhou pra você, de repente, começa a entrar na sua casa para olhar o que está acontecendo. E enquanto você tenta achar uma solução, é um tal de ‘ai meu Deus’, ‘ohs’ e ‘ahs’ sensacional. Também é legal que todo mundo ofereça ajuda, mesmo que não saiba como ou possa fazê-lo.

Com as coisas protegidas, dentro do possível, e já começando a ver a água escorrer pelo corredor do apartamento, fomos dormir na casa da minha mãe.

O dia seguinte foi de juntar tudo, arranjar um caminhão de mudança às pressas e dar o fora. Conseguimos levar quase tudo. Ainda voltamos ao apartamento na quarta e passaremos de novo no final de semana, pois ainda sobraram algumas coisas menores para levar.

Agora é conseguir contato com a moradora ou seu filho para tentar diminuir os prejuízos que não foram poucos.

A casa nova e a bagunça da mudança.

A casa nova e a bagunça da mudança.

Saí de Vila Isabel (mas é bom deixar claro que nunca abandonarei o melhor bairro do mundo) e me tornei, oficialmente, um tijucano (vale o registro de que a Tijuca é o único bairro do Rio, quiçá do Brasil, com gentílico reconhecido). Agora, levantar as mãos para o céu e agradecer que, fora o susto, a aporrinhação e o prejuízo, ninguém se machucou. E vida que segue.

Anúncios

7 comentários em “Dante e as cataratas do Iguaçu

  1. caraaaaaaaaaca, me lembrei de qnd fui fritar batatas, mas resolvi dar uma espiadinha na TV, ai sentei, deitei, eskeci a batata… sim, de repente olhei para o corredor e vi uma luz vermelha. Pensei: Nossa, a vizinha colocou lampada vermelha na varanda? Ai lembrei, aff minhas batatas, será q queimou?
    Sim, queimou batata, e pano de pratos que esteva perto, assim pegou fono na parede, fiquei desesperada, joguei tudo na água, a torneira pegou fogo, a agua pegou fogo, tudo fervia, e eu com nervoso da porra, sem saber se pulava da janela (com grades kkk), nao conseguia ligar pro bombeiro, pra vizinha, só pensava: vou morrer queimada. No fim, o fogo diminuiu e meu coração quase parou – sim foi a sensação, pq bateu demais, veio na boca, no pé, na orelha, bateu em tudo que é lugar! Por fim, as batatas pretinhas e molhadas cessaram o fogarel, e no dia seguinte tive que pagar um tiozinho para pintar a droga da cozinha, nunca tinha visto um teto tããão preto. E olha que quando era criança, sonhava em morar sozinha com 21 anos, num ape maneiro, com paredes pretas.
    Sim, o sonho definitivamente acabou!!!
    kkk

    Curtir

  2. Fala sério, amiguinho! Que merda! E você ainda tem bom humor para contar essa tragédia.
    Tá precisando de ajuda? Me diz mesmo, sem cerimônia.

    Beijos pra vcs e para as “filhas”

    Curtir

  3. Que merda Gustavo… e será que a responsabilidade séra da moradora de cima ou dos bombeiros?
    Caso estranho, nunca tinha ouvido falar numa situação assim.
    Boa sorte na casa nova!
    Beijo

    Curtir

  4. Querido,

    bem-vindo ao bairro.

    Espero que dê tudo certo o mais rápido possível.

    Beijos

    P.S: Se precisar de ajuda para arrumar a mudança, estamos ai.

    Curtir

  5. Rapazzzzzzz!!!

    Como vcs estão???

    Meu pai tinha me contato o q aconteceu, mas não achei q fosse isso tudo!! Q merdein!!!

    Bjs

    Curtir

  6. E vai ser tijucano para sempre…

    Como diz o ditado, um homem pode até sair da Tijuca, mas a Tijuca nunca sai do homem. ;-P

    ::: O Ser de Luz :::

    Curtir

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s